Papa Bento XVI pede pela renovação e reorientação da Igreja Católica

O papa apelou para a renovação da Igreja Católica Apostólica Romana e a rejeição do orgulho e do egoísmo. Bento XVI pediu aos fiéis a não instrumentalizar a fé em seu próprio benefício, "dando mais importância ao êxito e aos bens materiais".
O papa apelou para a renovação da Igreja Católica Apostólica Romana e a rejeição do orgulho e do egoísmo. Bento XVI pediu aos fiéis a não instrumentalizar a fé em seu próprio benefício, "dando mais importância ao êxito e aos bens materiais".

Praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, foi tomada hoje (17/03/2013) por fiéis que se concentraram no local para a penúltima missa dominical do papa Bento XVI, primeira celebração dominical do pontífice após o anúncio da renúncia. Na missa, o papa, que falou em várias línguas, apelou para a renovação e reorientação da Igreja Católica Apostólica Romana. A polícia fechou à circulação a Via della Conciliazione – a maior avenida de Roma, a capital italiana – que dá acesso ao Vaticano. A estimativa é que cerca de 100 mil pessoas se concentraram na praça.

A Oração do Angelus se destinou a homenagear o papa Bento XVI. Não há previsão de audiência específica concedida pelo papa para hoje com autoridades. No final da tarde, Bento XVI se dedicará a uma semana de meditações – que terminarão apenas no próximo dia 23.  No próximo sábado, ele  receberá, em audiência privada e de despedida, o presidente da Itália, Giorgio Napolitano.

Em decorrência da semana de meditações, o papa cancelou todas as atividades. Segundo especialistas, a semana de retiro do papa neste período de Quaresma é habitual. O porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que, ao longo da semana, o papa deverá ter reuniões com o secretário particular, Georg Ganswein, para despachar assuntos mais urgentes.

À imprensa italiana, o cardeal Angelo Sodano, decano do Colégio Cardinalício, reconheceu que a renúncia do papa fez com a Igreja  Católica Apostólica Romana viva “horas complicadas”, mas, segundo ele, a situação “será superada”.

Após oito anos de pontificado, Bento XVI anunciou que renunciará no próximo dia 28. Segundo ele, sofre com a falta de “força” e a “idade avançada”. No dia 27, o papa fará sua despedida. Após sua renúncia começa o processo de escolha do sucessor.

Cardeal diz que distinção de valores, importância da fé e apoio às artes serão legado de Bento XVI

O presidente do Conselho da Pontifícia de Cultura do Vaticano, Gianfranco Ravasi, disse hoje (17) que o período de oito anos do papa Bento XVI deverá ser lembrado por sua sabedoria ao apelar pela distinção que deve ser feita entre os valores, pela importância da fé e pelo apoio às artes. A avaliação de Ravasi ocorre no momento em que começa o período de meditações da Quaresma e que o papa ficará em retiro espiritual até a véspera de deixar o cargo, no dia 28.

Em seguida, o cardeal destacou a a relação entre fé e razão. “Portanto, a cultura foi um elemento indispensável, creio, para decifrar também o seu pontificado. Todos esses elementos serão certamente considerados também pelo novo pontífice em seu plano pastoral, porque são, afinal, o retrato do compromisso eclesial no mundo”. Grianfanco Ravasi, de 70 anos, é italiano e, segundo especialistas, está entre os cotados para suceder Bento XVI.

Gianfranco Ravasi “Tivemos eventos significativos nos oito anos de Bento XVI como papa, como o encontro com os artistas na Capela Sistina”, disse Ravasi. Segundo ele, são elementos que mostram que a Igreja Católica Apostólica Romana quer retornar ainda à grandeza do “diálogo com o belo, não somente com o verdadeiro”.
Gianfranco Ravasi “Tivemos eventos significativos nos oito anos de Bento XVI como papa, como o encontro com os artistas na Capela Sistina”, disse Ravasi. Segundo ele, são elementos que mostram que a Igreja Católica Apostólica Romana quer retornar ainda à grandeza do “diálogo com o belo, não somente com o verdadeiro”.
Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9746 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).