FIFA divulga relação com 16 novos centros de treinamento para a Copa de 2014. Na Bahia, escolhe Praia do Forte e Porto Seguro

Praia do Forte e Porto Seguro são escolhidas pela FIFA.
Praia do Forte e Porto Seguro são escolhidas pela FIFA.
Praia do Forte e Porto Seguro são escolhidas pela FIFA.
Praia do Forte e Porto Seguro são escolhidas pela FIFA.

A Federação Internacional de Futebol (Fifa) divulgou na última sexta-feira (08/02/2013), a segunda e penúltima lista de locais aptos a receber as 32 seleções – incluindo a brasileira – que vão disputar a Copa do Mundo de 2014.

A nova versão do Catálogo de Centros de Treinamento de Seleções (CTS) sugere 16 novas opções de lugares onde as equipes vão poder se hospedar e treinar, elevando para 70 o número de opções já aprovadas pela entidade em parceria com o Comitê Organizador Local (COL). A primeira lista, com 54 alternativas espalhadas por 43 cidades de todo o país, havia sido divulgada em 1º de agosto de 2012.

São as próprias seleções que, a partir das informações técnicas do catálogo, escolhem os lugares que servirão de base para os atletas se aclimatarem e se prepararem para o evento. Cada opção é composta por um hotel e um local de treinamento. A exigência da Fifa é de haja ao menos 64 pares de alternativas aprovadas. Assim, cada equipe tem ao menos duas opções de escolha. As seleções tem até janeiro de 2014 para dizer onde querem se hospedar e treinar.

Dos novos lugares desta segunda lista, nove ficam na região Sudeste (seis em São Paulo, dois no Rio de Janeiro e um em Minas Gerais). Outros cinco ficam na região Sul (dois no Rio Grande do Sul, dois em Santa Catarina e um no Paraná). Há ainda uma nova opção na região Nordeste, no Maranhão e uma na região Centro-Oeste, em Brasília. Na capital federal foi selecionada a Vila Olímpica do Corpo de Bombeiros como local de treino e o hotel Manhattan Plaza.

Dos 70 hotéis e centros de treinamento já aprovados pela Fifa, a maior parte (39) fica na região Sudeste, espalhados por cidades como, por exemplo, Belo Horizonte (MG), Barra do Piraí (RJ), Ipatinga (MG), Ribeirão Preto (SP), Santos (SP), São Paulo (SP) e Vitória (ES).

Em seguida vem a região Sul, com 19 locais em Bento Gonçalves (RS), Cascavel (PR), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Joinvile (SC), entre outros. A regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste dispõem de 4 opções cada.

A versão final do catálogo só deverá ser divulgada em novembro e pode trazer novas opções aprovadas pela Fifa. Segundo a entidade, são levados em conta mais de cem detalhes técnicos, como sistema de abastecimento elétrico e de água, acessos para as equipes e para a imprensa, local para realização de entrevistas, vestiários, instalações para os atletas, tipo de solo, drenagem e distâncias entre estádios e equipamentos como aeroportos.

Em janeiro, ao visitar o Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP), uma das cidades que pleiteam o direito de ser centro de treinamento de seleções, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou que o município escolhido poderá se beneficiar do Programa de Nacionalização da Copa. “Esse programa tem um foco, que são as cidades selecionadas para centros de treinamentos. E o governo pode investir em equipamentos públicos dessas cidades. A minha visita também se dá em função disso”, explicou o ministro.

Escolhas na Bahia

No estado da Bahia foram selecionados os municípios de Mata de São João e Porto Seguro, como locais aptos a receber as seleções de futebol. Em Mata de São João foram definidos o Centro de Treinamento Praia do Forte e o local para hospedagem foi o Tivoli Ecoresort Praia do Forte. Em Porto Seguro foi escolhido o Estádio Municipal Antônio Carlos Magalhães, como local de treinamento; e o Resort La Torre, para hospedagem das equipes.

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).