Deputado Carlos Gaban critica corporativismo da AL-BA, mas retira processos

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Carlos Gaban: “o corporativismo não pode passar por cima do regimento e da constituição”.
Carlos Gaban: “o corporativismo não pode passar por cima do regimento e da constituição”.
Carlos Gaban: “o corporativismo não pode passar por cima do regimento e da constituição”.
Carlos Gaban: “o corporativismo não pode passar por cima do regimento e da constituição”.

Em seu primeiro pronunciamento na Assembleia Legislativa da Bahia, o vice-líder da oposição, deputado Carlos Gaban (DEM), declarou que vai desistir do processo no qual solicita a perda de mandato do deputado Rogério Andrade (PSD) pelo seu grande número de faltas às sessões. Gaban afirmou não ter nada contra a pessoa do deputado Andrade, e que só estava buscando o seu direito. O democrata também deu um conselho aos colegas parlamentares: “não é com atitudes corporativistas que nós vamos ganhar o respeito da população”. 

O processo tem como base as Constituições federal e estadual e o Regimento Interno da Alba que determinam perda de mandato do parlamentar que faltar a mais de um terço das sessões plenárias. Este foi o caso de Rogério Andrade, que faltou a 53 das 133 sessões realizadas. Caso a justiça decidisse a favor da cassação, Gaban assumiria por ser o primeiro suplente do partido, visto que Andrade foi eleito pelo DEM e depois mudou para o PSD.

 Antes de ingressar com o processo na justiça, os Democratas já haviam apresentado um requerimento à Assembleia, que negou o pedido de cassação. Gaban ainda criticou o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) que reprovou o requerimento por também ser um dos deputados mais faltosos. “Ele também deveria ser réu”, disparou o democrata.

O deputado Gaban retornou à Assembleia no dia 5 de fevereiro, ao assumir a vaga deixada por Gildásio Penedo (PSD), empossado novo conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Sobre Carlos Augusto 9653 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).