Vereador soteropolitano Hilton Coelho defende Estado Laico e liberdade de culto

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

No Dia Nacional Contra a Intolerância Religiosa o vereador Hilton Coelho (PSOL) lembra que o Brasil não mais tem uma religião oficial. “O que verificamos, porém, é que as religiões afro-brasileiras ainda sofrem discriminações, atentados contra seus zelados, seus templos, frequentadores por aquilo que acreditam. Há aqui falta de conhecimento e desrespeito à diversidade. Queremos e exigimos que a lei federal 11635 sancionada no dia 21 de abril de 2007 sirva como um marco para que se exerça a mais completa liberdade de culto. Lembramos a Iyalorixá Gildásia dos Santos e Santos, que faleceu na mesma data, em 2000, vítima de enfarto causado após forte perseguição ao seu culto”.

Hilton Coelho afirma também que a intolerância religiosa se mesclou ao racismo e ao extremismo político, produzindo massacres e genocídios até hoje. “Mãe Gilda, que sofreu um enfarto e morreu depois de ter sido insultada por um jornal de uma denominação religiosa neopentecostal mostra o absurdo e o que pode causar um comportamento intolerante. Para mim a intolerância deve ser combatida não com os seus próprios métodos, mas, ao contrário, com a firme defesa dos direitos humanos e a difusão dos valores democráticos. O Brasil é uma nação que abriga todas as etnias e, portanto, muitas religiões. A liberdade de culto e o respeito por todas as religiões são condição para um convívio social pacífico, ao mesmo tempo em que enriquecem nossa gama cultural. Em um Estado Laico, como é o nosso, é fundamental que existam mecanismos sociais que garantam a liberdade religiosa dos diversos grupos”.

O vereador esteve recentemente visitando o Parque São Bartolomeu em companhia do presidente do PSOL de Salvador, Hamilton Assis, e afirma que aquilo representa um ataque às raízes das religiões de matriz africana. “O que vimos foi uma degradação muito grande da área considerada sagrada para o Candomblé. Por ironia, as empresas que estão lá atuando em tese para recuperar o Parque São Bartolomeu estão produzindo entulhos largados sem o menor controle ou método. Se logo na entrada presenciamos um absurdo desse podemos imaginar como deve estar a área interna”, afirma Hamilton Assis.

Hilton Coelho finaliza lembrando que o escritor baiano Jorge Amado, quando eleito deputado federal, em 1945, pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB) participou da Assembleia Constituinte, em 1946, tendo sido autor da Lei da Liberdade de Culto Religioso. “Não podemos esquecer que aquilo que sistematicamente destrói a crença, vida e autoestima de um povo representa mais uma das várias formas pelo qual o preconceito racial e o racismo se apresentam. Quando um grupo escolhe outro para se impor, afirmar superioridade e lutar pelo extermínio de suas crenças é sem sombra de dúvida uma prática racista. E é isso que constatamos com a intolerância religiosa que devemos combater”, finaliza o socialista.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108862 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]