Presidenta Dilma Rousseff defende investimentos na educação como forma de crescimento sustentável

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Dilma Rousseff cumprimenta populares e promete investimentos na educação.
Dilma Rousseff cumprimenta populares e promete investimentos na educação.
Dilma Rousseff cumprimenta populares e promete investimentos na educação.
Dilma Rousseff cumprimenta populares e promete investimentos na educação.

A presidenta Dilma Rousseff disse ontem (18/01/2013) que o país terá um “crescimento sério, sustentável e sistemático” em 2013. Segundo ela, o Brasil colherá muitos resultados do que já foi feito, mas ainda será “um ano em que vamos plantar mais do que colher”. Dilma falou durante discurso no município de São Julião, no Piauí, no primeiro evento público em que participa desde a volta do recesso, no início da semana passada.

Dilma disse que o governo espera que o país cresça, mas com resultados que melhorem a vida da população. “Queremos crescer, mas garantido que não só a economia que cresça, as obras, os edifícios. Nós queremos que o povo brasileiro cresça, que o emprego cresça e, sobretudo, é um compromisso muito forte do meu governo, que a educação de qualidade cresça no nosso país”.
A presidenta disse que o fortalecimento do mercado interno e o aumento do consumo no país são importantes, mas ressaltou que o Brasil só será uma grande nação quando tiver a educação e a produção de conhecimento como seu maior patrimônio.
“É importante a casa, o carro, mas, sobretudo, aquele patrimônio que você carrega, e isso quem dá é a educação”, disse Dilma, reforçando que, por isso, coloca uma atenção especial no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, lançado em novembro, que representa um acordo formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios para a alfabetização até os 8 anos de idade
“Só iremos pelo caminho certo se alfabetizarmos crianças na idade certa e valorizarmos professores”, completou a presidenta, defendendo a destinação dos royalties do petróleo para a educação. “Esse dinheiro tem de ir para aquilo que garantirá, no horizonte de 2020, de 2030, a nossa riqueza como nação. Tem de ir para a educação, para melhorar a qualidade e garantir educação em tempo integral, e garantir que aqueles que queiram fazer universidade possam fazer”.
Sobre Carlos Augusto 9653 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).