Governo da Bahia mobiliza secretarias para diminuir impactos da mortandade de peixes em Conceição do Coité

Município de Conceição do Coité. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Município de Conceição do Coité. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Município de Conceição do Coité. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Município de Conceição do Coité. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) – Jornal Grande Bahia)

Diante da mortandade dos peixes no açude Itarandi, o governo do Estado da Bahia está colocando em prática as ações mitigadoras pós-seca para enfrentar e minimizar os problemas causados pela forte estiagem. A partir deste domingo  (27/01/2013) técnicos estaduais estão seno enviados ao local, num esforço conjunto entre a Secretaria da Agricultura, por intermédio da Bahia Pesca, a Secretaria de Desenvolvimento e Integração Regional, por meio da Companhia de Ação e Desenvolvimento Regional (CAR) e Secretaria do Meio Ambiente, através do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema), visando auxiliar a prefeitura municipal de Conceição do Coité a resolver de maneira rápida os impactos causados pela morte dos peixes, provocada provavelmente pelo acúmulo de material orgânico, depois das últimas chuvas. 

“União e solidariedade são as palavras de ordem neste momento”, enfatiza o secretário estadual da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Reforma Agrária, Pesca e Aquicultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles. “Conforme orientação do governo do Estado, a Seagri está em permanente diálogo com as demais secretarias e prefeituras municipais, e já estabeleceu em seu Plano de Enfrentamento dos Efeitos da Estiagem, ações conjuntas que impactem positivamente as milhares de famílias que vivem também da pesca e aqüicultura em todo o território baiano”, diz Salles. 

Com a chegada das chuvas em Conceição do Coité, a suspeita é de que, após o prolongado período de seca, tenha ocorrido um acúmulo de material orgânico que, aliado às águas torrenciais na região, provocou um aumento na produção de gás carbônico no açude. “Este fenômeno é comum em reservatórios eutrofizados, o que faz com que ocorra uma excessiva proliferação de microalgas e, consequentemente, diminuição dos níveis de oxigênio dissolvido na água, tornando o meio ambiente desfavorável para a sobrevivência dos peixes, explica o diretor técnico da Bahia Pesca, Jorge Figueiredo, enfatizando que a primeira providência será o envio de uma equipe da empresa, ainda neste domingo, para in loco, dimensionar o problema e monitorar a qualidade da água no açude. 

Caso as análises iniciais não apontem problemas ambientais relacionados à mortandade dos peixes, equipes da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab) já estão prontas para avaliar as condições sanitárias que possam ter ocasionado o evento. disposiçou , Vivaldo Mendonça.aldo Mendonça.VIda uenas barragensos locais mais afetados em todo o Estado. 

A segunda medida deve ocorrer quando as condições da água estiverem propícias para o repovoamento de peixes. “Essa ação visa garantir a segurança da atividade, de quem vive dela, do meio ambiente e da população. Estamos observando criteriosamente todos os aspectos físico-químicos do meio para, em seguida, constituir novo povoamento do manancial, a fim de aumentar a piscosidade do açude de Itarandi”, acrescenta o presidente da Bahia Pesca, Cássio Peixoto. Ele informou que todas as Estações de Piscicultura da empresa estão sendo monitoradas e preparadas para produzir 65  milhões de alevinos e assim reparar os danos causados pela seca na Bahia. 

Numa etapa posterior, os ribeirinhos receberão orientação que possa garantir a continuidade da atividade sem, contudo, causar nenhum tipo de prejuízos econômicos ou ambientais. Eles serão orientados a não usar redes com malhas pequenas, para preservar os filhotes de peixes colocados e que servirão como futuras matrizes a povoar o açude. Além disso, a Bahia Pesca deve aumentar a capacidade de produção das Estações de Piscicultura, não impactadas pela estiagem, objetivando acelerar o repovoamento dos mananciais hídricos mais afetados em todo o Estado. 

Outras ações de governo que vêm sendo intensificadas são a recuperação e construção de novas aguadas. “Já temos recursos assegurados para construir 300 pequenas barragens no semiárido, aliando oferta de infraestrutura hídrica à geração de emprego e renda para quem vive da pesca, articulada no Programa Vida Melhor”, ressalta o diretor da CAR, Vivaldo Mendonça, que também colocou a Companhia à disposição para auxiliar o município na resolução dos problemas enfrentados.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9609 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).