Ex-vereador diz que José Ronaldo definiu escolha de Justiniano França para presidência da Câmara de Feira de Santana

Marialvo Barreto: "Falta agora a corregedoria, DEUS queira que nossos Edis não escolham quem não podem escolher. Para este cargo o passado conta, e muito". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Marialvo Barreto: "Falta agora a corregedoria, DEUS queira que nossos Edis não escolham quem não podem escolher. Para este cargo o passado conta, e muito". (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Marialvo Barreto: "Falta agora a corregedoria, DEUS queira que nossos Edis não escolham quem não podem escolher. Para este cargo o passado conta, e muito". (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Marialvo Barreto: "Falta agora a corregedoria, DEUS queira que nossos Edis não escolham quem não podem escolher. Para este cargo o passado conta, e muito". (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

O ex-vereador petista Marialvo Barreto enviou nota à redação do Jornal Grande Bahia fazendo ponderações sobre a eleição diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana.

Marialvo acusa a ingerência por parte de José Ronaldo nos assuntos do Legislativo, diz que os vereadores não tem coragem de “peitar” o prefeito, e avalia que nome do corregedor deve ser bem analisado pelos edis.

Confira os comentários de Barreto:

“A eleição da mesa diretiva da Câmara Municipal de Feira de Santana, não teve novidades  – aplicou-se a lógica de José Ronaldo: 1º – Vereadores da base recebem a ordem da chapa única. Obedecem. Quem mesmo teria coragem para desobedecê-lo?;

2º – O presidente foi definido pelo Prefeito – os demais candidatos recuaram cabisbaixos – sem ter sequer o direito de expor as divergências. Mas quem teria a coragem de tornar públicas?;

3º – insinua querer a oposição na mesa – mas receberam a ordem, NÃO. Para não ficar feio, repetiram a receita de sempre: começam negociando com a oposição, acertam até o cargo, depois fabricam as dificuldades, e por final dizem – “tentamos mas não deu”. Pura missa encomendada.

Falta agora a corregedoria, DEUS queira que nossos Edis não escolham quem não podem escolher. Para este cargo o passado conta, e muito.”

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).