Comissão Interamericana de Direitos Humanos aceita caso de jornalista colombiano assassinado em 1999

Comissão Interamericana de Direitos Humanos
Comissão Interamericana de Direitos Humanos

Comissão Interamericana de Direitos Humanos
Comissão Interamericana de Direitos Humanos

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) decidiu aceitar o caso do assassinato do jornalista colombiano Hernando Rangel Moreno, morto em 1999, informou a Sociedade Interamericana de Imprensa. Em comunicado, a SPI se mostrou satisfeita com a decisão já que, segundo a entidade, o Estado colombiano tem responsabilidade, por foram violados os direitos à vida, à liberdade de expressão e à proteção judicial.

A SIP levou o caso à CIDH em abril de 2000, após uma investigação realizada por seu Projeto contra a Impunidade, segundo a qual houve um demora injustificada na condução do caso de Rangel Moreno. A SIP espera que, com a intervenção da CIDH, o Estado colombiano reabra, investigue e esclareça a morte do jornalista.

Hernando Rangel Moreno foi assassinado em 11 de abril de 1999, no município de El Banco, estado deMagdalena. Ao que parece, sua morte teria ligação com declarações críticas e o incentivo a uma greve em repúdio à administração local, segundo a imprensa e a SIP. O jornalista estaca na casa de um amigo quando um homem até hoje não identificado se aproximou e deu quatro tiros em sua cabeça.

Rangel Moreno era advogado e jornalista independente, diretor das publicações Magdalena 30 días, Sur e Región, de acordo com o Projeto contra a Impunidade.

 *Por Silvia Higuera | Centro Knight.

Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).