Senador Walter Pinheiro: “Troca do indexador da dívida vai dar fôlego para estados e municípios endividados”

Walter Pinheiro: “Os indexadores passarão a ser a Selic (taxa básica de juros da economia) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano, prevalecendo o menor valor, conforme reivindicação inicial. Isso vai dar um alivio aos estados e municípios endividados”
Walter Pinheiro: “Os indexadores passarão a ser a Selic (taxa básica de juros da economia) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano, prevalecendo o menor valor, conforme reivindicação inicial. Isso vai dar um alivio aos estados e municípios endividados”
Walter Pinheiro: “Os indexadores passarão a ser a Selic (taxa básica de juros da economia) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano, prevalecendo o menor valor, conforme reivindicação inicial. Isso vai dar um alivio aos estados e municípios endividados”
Walter Pinheiro: “Os indexadores passarão a ser a Selic (taxa básica de juros da economia) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano, prevalecendo o menor valor, conforme reivindicação inicial. Isso vai dar um alivio aos estados e municípios endividados”

O senador Walter Pinheiro (PT/BA) comemorou, nesta sexta-feira (28/12/2012), a decisão do Governo Federal de trocar o indexador da dívida dos estados e municípios com a União, conforme Projeto de Lei Complementar do Executivo, que será analisado pelo Congresso. Atualmente, a dívida das prefeituras e dos governos estaduais é corrigida pelo IGP-DI mais 6%, 7,5% ou 9% ao ano. A mudança segue na direção do entendimento que o senador buscou com o Executivo e prevalecerá o menor índice, explica Pinheiro. “Os indexadores passarão a ser a Selic (taxa básica de juros da economia) ou o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) mais 4% ao ano, prevalecendo o menor valor, conforme reivindicação inicial. Isso vai dar um alivio aos estados e municípios endividados”, comentou.

Para Pinheiro, o novo indexador do governo federal entra como pauta prioritária do Congresso, para aprovar a matéria o mais rápido possível e mudar o índice que corrige o endividamento dos estados e muncicípios.

ICMS 

O governo também enviou ao Congresso um projeto de resolução do Senado para unificar o ICMs, Imposto sobre Circulação de Mercadorias,  em 12 anos. A partir de 2013, as alíquotas cairão gradualmente até atingirem 4% em 2025. Inicialmente, a unificação se daria em oito anos, mas os governadores do Norte, Nordeste e Centro-Oeste pediram um prazo maior.

A proposta faz parte do pacote federativo, que traz  a redução da alíquota do ICMS, conforme Medida Provisória 599, publicada hoje no Diário Oficial da União. A MP prevê a compensação federal de perdas futuras dos governos regionais com a unificação cobrado das mercadorias transportadas de um estado para outro. A medida cria também o Fundo de Desenvolvimento Regional (FDR), vinculado ao Ministério da Fazenda, com a finalidade de financiar a execução de projetos de investimento e dinamização da atividade econômica local. A compensação será feita aos estados e ao Distrito Federal na medida da perda constatada nos resultados da balança interestadual de operações e prestações destinadas a contribuintes do ICMS. A apuração das perdas será feita pela Receita Federal todo mês de junho com base nas notas fiscais eletrônicas emitidas no ano imediatamente anterior. O montante correspondente à compensação será entregue a cada região em doze parcelas mensais iguais, até o último dia útil de cada mês. O objetivo é acabar com a guerra fiscal entre os estados.

A medida estabelece também que o auxílio financeiro não poderá exceder o valor de R$ 8 bilhões por ano. Além disso, os estados devedores terão suas dívidas subtraídas do valor total a ser recebido.

Quanto ao FDR, caberá ao Executivo identificar e orientar projetos de investimento nos estados e Distrito Federal e, de acordo com a viabilidade econômica, propor a liberação de recursos financeiros. Os estados e o Distrito Federal deverão demonstrar a efetiva utilização dos recursos por meio de relatórios de prestação de conta, em conformidade com as normas estabelecidas pelo Ministério da Fazenda.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108048 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]