Em Salvador, durante reunião com a PGR, entidades repudiam projeto de ampliação aeroportuária afirmando que ampliação destrói cerca de 80% do ecossistema de dunas

Entidades e representantes da sociedade civil são contra o projeto de ampliação do aeroporto Luís Eduardo Magalhães. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Entidades e representantes da sociedade civil são contra o projeto de ampliação do aeroporto Luís Eduardo Magalhães. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

Na tarde desta quarta-feira (12/12/2012), entidades e representantes da sociedade civil organizada que são contra o projeto de ampliação aeroportuária da Infraero se reuniram com a Procuradora Caroline Rocha Queiroz. A reunião aconteceu no edifício-sede da Procuradoria Geral da República, localizado no bairro do Doron, em Salvador, e teve como objetivo uma discussão sobre o inquérito civil que investiga o projeto.

Estiveram presentes representantes da Universidade Livre das Dunas – UNIDUNAS, da Associação de Moradores da Praia do Flamengo – AMPLA, do Conselho Gestor da APA Lagoas e Dunas do Abaeté e o Cônsul Honorário da Bélgica em Salvador.

Na oportunidade, os participantes trocaram informações sobre o caso. O presidente da UNIDUNAS Jorge Santana ressaltou que os ambientalistas estão preocupados com as últimas afirmações de representantes da Infraero sobre a construção da nova pista do aeroporto soteropolitano. “Nos posicionamos contra o projeto de ampliação atual, pois vai destruir cerca de 80% do último remanescente urbano de dunas, lagoas e restinga do país”, afirmou Santana.

Segundo a presidente da AMPLA, Ana Cláudia Fatzaun, a Associação e os moradores também são contra o projeto. Fatzaun cita alguns problemas que os moradores terão com a construção da nova pista, que terá em uma de suas extremidades o bairro de Praias do Flamengo. “O barulho das aeronaves pousando e decolando, além da poluição, perderemos qualidade de vida. Por consequência, também teremos a desvalorização dos imóveis”, afirmou.

O grupo entregou à Procuradora uma moção de repúdio e folhas de um abaixo-assinado com assinaturas contra a destruição das dunas do Abaeté. Segundo Queiroz, o Instituto do Meio Ambiente e Recusos Hídricos – INEMA, ainda está analisando o Estudo de Impacto Ambiental (EIA-RIMA) feito na área. “Estaremos acompanhando o caso”, pontua a Procuradora.

A próxima ação do grupo está agendada para o dia 18, onde se reunirão com o Secretário Estadual do Meio Ambiente Eugênio Spengler, para discutir sobre a o projeto de ampliação aeroportuária da Infraero.

ENTENDA O CASO

Em audiência no Ministério Público Estadual, no ano de 2004, A Infraero apresentou um projeto de ampliação aeroportuária que destruiria cerca de 80% do ecossistema de dunas, lagoas e restinga do Abaeté. A UNIDUNAS, criadora do Parque das Dunas, sediado no bairro de Praias do Flamengo, atua há mais de 15 anos no local protegendo a área da especulação imobiliária, prática de off-road, retiradas da flora e fauna, promovendo educação ambiental através de trilhas guiadas no local.

A reunião aconteceu no edifício-sede da Procuradoria Geral da República.
A reunião aconteceu no edifício-sede da Procuradoria Geral da República.
Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 8999 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).