Parceria com portugueses pode viabilizar produção de queijos com leite de cabra e ovelha na Bahia

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Capa do Folder da Missão Europa.
Capa do Folder da Missão Europa.
Capa do Folder da Missão Europa.
Capa do Folder da Missão Europa.

Duas das mais famosas queijarias mostraram disposição de conhecer a ovinocaprinocultura baiana

A celebração de acordos de cooperação técnica com a Cooperativa dos Produtores de Queijos da Beira Baixa, e com a bicentenária Casa Matias, da região de Serra da Estrela, em Portugal, para viabilizar a produção de queijos com leite de cabra e ovelhas por pequenos produtores da Chapada Diamantina, em parceria com laticínios baianos é uma das possibilidades abertas pela Missão Bahia/Portugal/Espanha/França, coordenada pelo secretário estadual da Agricultura, engenheiro agrônomo Eduardo Salles. Nesta quarta-feira, (31/10/2012), o proprietário da Casa Matias, uma das mais famosas queijarias da Europa, José Matias, confirmou que virá à Bahia, nos dias 1 a 3 de dezembro para visitar as regiões produtoras de ovinos e caprinos, com a intenção de fazer diagnósticos das diversas regiões produtoras e avaliar parcerias com laticínios e produtores baianos para produzir queijos amanteigados semelhantes aos feitos em Portugal.

“Nossos principais objetivos são viabilizar parcerias entre os laticínios baianos e a indústria portuguesa; criar uma cooperativa de pequenos e médios produtores de leite de cabra e ovelha da Bahia, e montar um laticínio com eles”, disse Eduardo Salles. O secretário explica que “queremos dar sustentabilidade para convivência com o semiárido, e produzir queijos de qualidade que possam chegar ao consumidor ao custo aproximado de R$ 50,00 o quilo e fazer com que mais pessoas possam consumir”. O queijo desse tipo, importando de Portugal, chega à Bahia ao custo de R$ 300,00 o quilo.

“Não somos melhores nem piores que outras queijarias, mas somos diferentes”, disse José Matias, que está montando o Museu do Queijo. Profundo conhecedor do setor, ele acha que “a Bahia tem condições de produzir queijos de qualidade com leite de cabra e ovelha, podendo inclusive utilizar também leite de vaca na mistura”.

Um dos principais criadores da raça Dorper na Bahia, Luiz Teixeira, que investe em genética e faz parte da comitiva que está na Europa, declarou que vai participar da cooperativa de produtores de leite a ser criada. Ele, que é membro da Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos da Microrregião de Senhor do Bonfim, disse que um dos seus objetivos é promover a mistura das raças Santa Inês com a francesa Lacone, visando o melhoramento genético para aumento da produtividade de leite do plantel baiano de cabras e ovelhas.

Apoio tecnológico

A comitiva visitou também o Centro de Apoio Tecnológico Agroalimentar de Castelo Branco (Cata), que de acordo com o secretário Eduardo Salles “pode ser um grande parceiro no apoio tecnológico às pretensões da Bahia no desenvolvimento de queijos de cabra e ovelha na Bahia, com características semelhantes aos produzidos em Portugal”. O Cata, um investimento 3,5 milhões de Euros, possui estrutura de pesquisa e equipamentos de última geração para pesquisas focadas no setor agropecuário como, azeites, leites e queijos, hortifruticultura e degustações sensoriais.

Oportunidades de investimentos

Além dos encontros na cooperativa e na Casa Matias, e da visita ao Cata, a comitiva baiana reuniu-se com empresários e produtores da Vinícola Casal Branco; Associação Empresarial da Região de Santarem (Nersant), no Ribatejo; Associação Empresarial da Região de Castelo Branco (Nercab), e Adega do Alto Tejo. Em todas essas oportunidades a comitiva baiana apresentou as oportunidades e vantagens de investir na agropecuária baiana, despertando grande interesse dos portugueses.

Na Vinícola Casal Branco, na região de Ribatejo, especializada em queijos, vinhos e embutidos, os baianos foram recebidos pelo proprietário, José Lobo de Vasconcelos, e pelo gestor, Duarte Carvalho, que ficaram impressionados com o potencial da Bahia na produção de vinhos e espumantes, com a colheita de duas safras/ano de uva, enquanto que em Portugal eles colhem somente uma. José Lobo, que já esteve na Bahia como turista, ficou curioso em conhecer a nova fronteira de produção de uvas viníferas da Chapada Diamantina, que tem também potencial para o enoturismo ecológico. O empresário prontificou-se a visitar as regiões produtoras da Bahia, em data a combinar com a Secretaria da Agricultura.

A Vinícola Casal Branco, que investe também no enoturismo, possui 140 hectares de uvas viníferas e 1.200 ha de área total, com produção de hortaliças, fruticultura, cereais, pecuária, oliveiras e cavalos lusitanos. A Casal Branco produz vinhos tintos, brancos, rosé e espumantes, com uvas das variedades Touriga Nacional, Aragones, Cabernet, Castelão, Sauvion Blanc, dentre outras. A produção média é de 700 mil garrafas/ano de vinhos.

Queijos premiados

De acordo com os diretores da Cooperativa de Produtores de Queijos da Beira Baixa, o sucesso da entidade é garantindo pela utilização de um laboratório de última geração, que assegura a qualidade do leite através de análises físico químicas e microbiológicas. “O sucesso do bom queijo é a boa matéria prima”, disseram. Com Denominação de Origem (DO), o queijo produzido em Beira Baixa, uma região abaixo de Alentejo e acima da Serra da Estrela, é certificado desde 1993.

O laticínio da cooperativa tem capacidade para processar 10 mil litros/dia, mas atualmente processam oito mil litros/dia de leite de cabra e ovelha na alta estação, e dois mil litros/dia na baixa estação, sendo cinco a seis mil de ovelhas, e dois a três mil de cabra.

Para produzir cada quilo de queijo são utilizados cinco litros de leite. O queijo amarelo é feito de uma mistura dos leites de cabra e ovelha, e o queijo Castelo Branco que é produzido somente com leite de ovelha. A cooperativa valoriza o trabalho dos produtores e paga 90 centavos de Euros por litro de leite de ovelha e 60 centavos por litro de leite de cabra. A raça de cabra mais comum é a Charniqueira, e de ovelha é a raça Merino da Beira Baixa.

Na Associação Empresarial da região de Santarém (Nersant), no Ribatejo, a comitiva foi recepcionada por Pedro Felix, vice-presidente da entidade, e por Carlos Lopes de Sousa, presidente do Agrocluster do Ribatejo. A associação tem 1.840 empresas associadas, que representam 80 % do PIB da região. Felix destacou que uma das prioridades da associação é a internacionalização das empresas associadas, e refez o convite para que uma comitiva baiana participe da Feira Nacional de Santarem, que é organizada pela Nersant.

O secretário Eduardo Salles destacou que o encontro, do qual participaram dezenas de gestores de empresas de diversos segmentos da agropecuária, foi muito proveitoso. “Apresentamos as potencialidades de investimentos no setor agropecuário baiano, e acreditamos que poderemos firmar parcerias, principalmente no setor da agroindústria, principalmente no setor de embutidos”. O secretário e os membros da missão baiana iniciaram conversações com uma empresa produtora e interessada no mercado brasileiro, e depois visitaram as instalações e o processamento da empresa Lourenço, uma das maiores produtoras de presuntos de Portugal, onde foram recebidos pelo proprietário, Vitor Lourenço.

A sede da Associação Empresarial da Região de Castelo Branco (Nercab), localizada no centro Leste de Portugal próximo à fronteira com a Espanha, foi o destino seguinte da comitiva da Bahia. Presidida por Antonio Trigueiros, que esteve na Bahia em meados deste mês participando do V Seminário de Oportunidades de Negócios Bahia/Portugal, no Vila Galé, em Guarajuba, disse que a associação tem a missão de viabilizar o desenvolvimento empresarial da região de Castelo Branco, composta por 11 municípios. Acompanhado por membros da diretoria, ele explicou que a entidade atua nas áreas de cooperação empresarial, empreendedorismo, internacionalização, financiamento, formação e inovação. Os associados são todos microempresas, com menos de 10 trabalhadores.

Folder da Missão Europa – Bahia, terra de oportunidades

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 123143 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.