Deputado Luciano Simões cobra aparato federal no combate a violência na Bahia

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Números apresentados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública são preocupantes.
Números apresentados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública são preocupantes.
Números apresentados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública são preocupantes.
Números apresentados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública são preocupantes.

A explosão da violência na Bahia voltou à pauta na Assembleia Legislativa na tarde desta quarta-feira (21/11/2012). O líder do PMDB/DEM na Casa, deputado Luciano Simões, apresentou os dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, onde a Bahia ocupa a liderança em ocorrências violentas e, em números absolutos e pela segunda vez consecutiva, o Estado com a maior quantidade de homicídios, à frente do Rio de Janeiro e São Paulo.

O parlamentar destacou que, ainda de acordo com o estudo, a Bahia teve 4.380 assassinatos registrados em 2011. Já em números proporcionais ao tamanho da população, o Estado tem taxa de 31,1 homicídios por 100 mil habitantes, ficando na frente novamente dos estados do Rio e São Paulo. “O quadro narrado mete medo a qualquer cidadão e faz a Bahia ser primeira página nos jornais de todo o país. Hoje (22) o jornal Bom Dia Brasil, da TV Globo, ressaltou que o ‘aumento da violência preocupa moradores de cidades da Bahia’” enfatizou Simões. A matéria da TV afirma, com dados oficiais, que de janeiro a outubro deste ano, 1.998 pessoas foram assassinadas no Estado,12% a mais que no mesmo período de 2011. O jornal também divulga que, nos últimos oito dias, foram 43 assassinatos, sendo 27 em Salvador e 16 em cidades vizinhas. Na noite passada, cinco pessoas foram assassinadas.

O peemedebista citou também a matéria veiculada no jornal O Globo, que revela que a Bahia tem cinco cidades na lista das 20 mais violentas do país – Simões Filho, Lauro de Freitas, Eunápolis, Porto Seguro e Itabuna. “Por todo esse quadro é que se cobra uma posição do governador do Estado, que se diz amigo da presidente Dilma e não tem conseguido ajuda suficiente para combater a criminalidade. Sei que se fosse de interesse dele, nós teríamos aqui a Força Nacional, uma atuação maior da Polícia Federal e uma melhor participação do Exército Brasileiro, além de um acréscimo na transferência de recursos”, observou Luciano Simões.

Leia +

Anuário Brasileiro de Segurança Pública

Sobre Carlos Augusto 9652 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).