Os desafios da educação no Brasil | Por Janguiê Diniz

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Janguiê Diniz é Mestre e Doutor em Direito; e Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional .
Janguiê Diniz é Mestre e Doutor em Direito; e Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional .
Janguiê Diniz é Mestre e Doutor em Direito; e Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional .
Janguiê Diniz é Mestre e Doutor em Direito; e Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional .

Já dizia Paulo Freire, “A educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo”. Sempre citamos a educação como principal pilar do desenvolvimento de qualquer país, e com o Brasil não é diferente. Recentemente muito tem sido comentado sobre um possível aumento de investimento do PIB na educação, passaríamos de 5,5% para 10%. Sabemos que a porcentagem do PIB brasileiro direcionado para educação está abaixo da média preconizada pela  Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o recomendado é 6,23%. A grande questão está na forma como esse valor é investido. Quais são, de fato, os desafios da educação brasileira?

Os desafios da educação brasileira envolvem aspectos sociais, econômicos, políticos e culturais, e tantos outros. Em estudo elaborado pelo Banco Mundial, entre os desafios mais importantes para a próxima década, estão a qualidade do ensino secundário, a eficiência do gasto público, a qualidade dos professores e a educação infantil. Sem dúvida, esses são pontos essenciais. A atenção do Brasil com a educação é muito recente. É preciso, além de ampliar os investimentos, direcioná-los e acompanhar sua utilização.

Quando analisamos o quadro da educação infantil, observamos que o País está aumentando rapidamente o ensino pré-escolar e a cobertura das creches, mas é preciso cada vez mais foco na qualidade desses serviços. Entenda-se com foco a qualidade dos currículos, formação e supervisão de monitores e educadores, além do acompanhamento e avaliação de programas oferecidos por essas instituições.

É notório que tivemos importantes melhorias: a ampliação do acesso ao ensino fundamental, a inclusão de programas de educação integral nas escolas públicas e a utilização de avaliações que ajudam a avaliar resultados de aprendizado e estabelecer metas, como o ENEM e o ENADE, foram pontos essenciais para o desenvolvimento de políticas públicas na educação.

É também essencial que as escolas sejam mais seletivas e cuidadosas ao contratar professores. Muitos dos que estão em sala de aula não gostam de ensinar ou não têm preparo para a profissão. Sem falar no salário que é aviltante.  É importante avaliar a competência dos professores e investir também na educação contínua deles. Também é fundamental que as escolas sejam equipadas com computadores, laboratórios e bibliotecas. Esses recursos são imprescindíveis para incentivar o estudo e despertar o interesse intelectual dos alunos.

Mesmo com o aumento dos investimentos, o Brasil ainda tem milhões de crianças fora da escola. Dessas, a grande maioria está concentrada nas regiões Norte e Nordeste e a desigualdade social reflete esses números. Enquanto no estado de Santa Catarina 99% das crianças e adolescentes têm acesso à educação, no Acre, Norte do país, esse percentual cai para 91,3%.

O Brasil fez progressos expressivos na educação nos últimos 10 anos, mas ainda temos um longo caminho para atingir o nível dos países desenvolvidos.

*Janguiê Diniz – Mestre e Doutor em Direito – Fundador e Acionista Majoritário do Grupo Ser Educacional – [email protected]

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113681 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]