Morre, em Londres, o historiador britânico Eric Hobsbawn

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Historiador britânico Eric Hobsbawn morreu essa madrugada (01/10/2012), em Londres.
Historiador britânico Eric Hobsbawn morreu essa madrugada (01/10/2012), em Londres.
Historiador britânico Eric Hobsbawn morreu essa madrugada (01/10/2012), em Londres.
Historiador britânico Eric Hobsbawn morreu essa madrugada (01/10/2012), em Londres.

O historiador britânico Eric Hobsbawn morreu essa madrugada (01/10/2012), em Londres. Considerado um dos mais importantes intelectuais do século passado, Hobsbawm tinha 95 anos e passou seus últimos dias internado em um hospital devido a uma pneumonia.

Hobsbawn nasceu em Alexandria, no Egito, ainda sob domínio britânico, poucos meses antes da Revolução Russa de 1917. Pouco tempo depois, sua família se mudou para a Áustria e, posteriormente, para a Alemanha. Judeus, os parentes com que vivia migraram para a Grã-Bretanha, após Hitler ter chegado ao poder, em 1933, inicialmente como primeiro-ministro, depois, com a morte de Paul von Hindenburg, como presidente.

Comunista mesmo após a derrocada do socialismo na União Soviética, Hobsbawn é autor de dezenas de livros, a maioria sobre o século 20, que ele classificou como “a era dos extremos”, título de uma de suas obras mais famosas, em que analisa as circunstâncias e as consequências históricas das catástrofes, guerras e crises registradas entre o início da Primeira Guerra Mundial (1914-1918) e a queda da União Soviética (1991).

Outros livros bastante populares do historiador são A Era das Revoluções – sobre as revoluções que explodiram na Europa a partir de 1848 -, História Social do Jazz e a autobiografia Tempos Interessantes. Sua última obra publicada no Brasil, em 2011, se chama Como Mudar o Mundo.

Um dos mais influentes historiadores do século 20

A reputação do historiador deve-se, principalmente, a quatro obras escritas por ele, entre elas “Era dos Extremos: o Breve Século 20: 1914 – 1991”, livro que foi traduzido em 40 línguas.

De família judia, Hobsbawm nasceu na cidade de Alexandria, no Egito, em 1917, o mesmo ano da Revolução Russa, que representou a derrocada do czarismo e o início do comunismo no país.

Não por coincidência, a vida do historiador e seus trabalhos foram moldados dentro de um compromisso duradouro com o socialismo radical.

O pai de Hobsbawm, o britânico Leopold Percy, e sua mãe, a austríaca Nelly Grün, mudaram-se para Viena, na Áustria, quando o historiador tinha dois anos e, logo depois, para Berlim, na Alemanha.

Eric Hobsbawn é autor de dezenas de livros, a maioria sobre o século 20, que ele classificou como “a era dos extremos”, título de uma de suas obras mais famosas.
Eric Hobsbawn é autor de dezenas de livros, a maioria sobre o século 20, que ele classificou como “a era dos extremos”, título de uma de suas obras mais famosas.

Hobsbawm aderiu ao Partido Comunista aos 14 anos, após a morte precoce de seus pais. Na ocasião, ele foi morar com seu tio.

Em 1933, com o início da ascensão de Hitler na Alemanha, ele e seu tio mudaram-se para Londres, na Inglaterra. Após obter um PhD da Universidade de Cambridge, tornou-se professor no Birkbeck College em 1947 e, um ano depois, publicou o primeiro de seus mais de 30 livros.

Hobsbawm foi casado duas vezes e teve três filhos, Julia, Andy e Joshua.

Na década de 80, Hobsbawm comentou sobre sua fuga da Alemanha. “Qualquer um que viu a ascensão de Hitler em primeira mão não poderia ter sido ajudado, mas moldado por isso, politicamente. Esse garoto ainda está aqui dentro em algum lugar – e sempre estará”.

Obra

Entre as obras mais conhecidas de Hobsbawm, estão os três volumes sobre a história do século 19 e “Era dos Extremos”, que cobriu oito décadas da Segunda Guerra Mundial ao colapso da União Soviética.

Já como presidente do Birkbeck College, ele publicou seu último livro, “Como mudar o mundo – Marx e o marxismo 1840-2011”, no ano passado.

O historiador afirmou que ele tinha vivido “no século mais extraordinário e terrível da história humana”.

Marxista inveterado, ele reconheceu a derrocada do comunismo no século 20, mas afirmou não ter desistido de seus ideais esquerdistas.

Em abril deste ano, Hobsbawm disse ao colega historiador Simon Schama que ele gostaria de ser lembrado como “alguém que não apenas manteve a bandeira tremulando, mas quem mostrou que ao balançá-la pode alcançar alguma coisa, ao menos por meio de bons livros”.

“Foi uma honra ser contemporâneo e ter convivido com Eric Hobsbawm”, diz Lula em mensagem à viúva do historiador

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou nesta segunda-feira uma mensagem a Marlene Schwartz, viúva do historiador Eric Hobsbawm, que morreu nesta segunda-feira em Londres, aos 95 anos. Um dos intelectuais mais influentes da segunda metade do século 20, Eric Hobsbawm elogiou e incentivou publicamente o governo Lula em várias ocasiões. Para o ex-presidente, o historiador foi “um dos mais lúcidos, brilhantes e corajosos intelectuais do Século XX”.

Leia abaixo a mensagem na íntegra:

Lula e Hobsbawm, durante encontro em abril do ano passado.
Lula e Hobsbawm, durante encontro em abril do ano passado.

São Paulo, 1° de outubro de 2012

Prezada Senhora Marlene Schwartz

Acabo de receber, com profunda tristeza, a notícia do falecimento do seu marido, o querido amigo Eric Hobsbawm, um dos mais lúcidos, brilhantes e corajosos intelectuais do Século XX.

Desde que o conheci pessoalmente, muitos anos atrás, recebi de Eric, como ele preferia que eu o tratasse, incontáveis manifestações de estímulo à implantação de políticas que incorporassem os trabalhadores aos benefícios e à riqueza produzidos pelo conjunto da sociedade brasileira.

Ao longo da última década, li com um sentimento de orgulho as entrevistas em que ele atribuía ao nosso governo a responsabilidade por “mudar o equilíbrio do mundo e levar os países em desenvolvimento para o centro da política internacional”.

Quatro meses atrás, poucos dias antes de completar 95 anos, Eric Hobsbawm enviou-me, por um amigo comum, uma carinhosa mensagem. “Diga ao Lula para seguir lutando pelo Brasil”, disse ele, “mas não se esquecer jamais da sofrida África.” A partir de agora meu comprometimento com os irmãos africanos passará a ser, também, uma homenagem à memória de seu marido.

Mais que um privilégio, foi uma honra ser contemporâneo e ter convivido com Eric Hobsbawm.

Receba e, por favor, transmita aos filhos, netos e bisnetos dele as minhas homenagens.

Luiz Inácio Lula da Silva

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113647 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]