Líder de governo da Assembleia Legislativa da Bahia comenta o resultado das eleições

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
“Esperei pacientemente e não me manifestei porque acho que era um direito da oposição comemorar a vitória, mas é importante lembrar que tanto em Feira de Santana como em Salvador o DEM esteve presente e comandando as máquinas administrativas. A diferença é que antes eles tinham apenas o bônus gerado pela influência sobre a gestão, agora terão também o ônus de gerir duas grandes cidades”. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Esperei pacientemente e não me manifestei porque acho que era um direito da oposição comemorar a vitória, mas é importante lembrar que tanto em Feira de Santana como em Salvador o DEM esteve presente e comandando as máquinas administrativas. A diferença é que antes eles tinham apenas o bônus gerado pela influência sobre a gestão, agora terão também o ônus de gerir duas grandes cidades”. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Esperei pacientemente e não me manifestei porque acho que era um direito da oposição comemorar a vitória, mas é importante lembrar que tanto em Feira de Santana como em Salvador o DEM esteve presente e comandando as máquinas administrativas. A diferença é que antes eles tinham apenas o bônus gerado pela influência sobre a gestão, agora terão também o ônus de gerir duas grandes cidades”. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Esperei pacientemente e não me manifestei porque acho que era um direito da oposição comemorar a vitória, mas é importante lembrar que tanto em Feira de Santana como em Salvador o DEM esteve presente e comandando as máquinas administrativas. A diferença é que antes eles tinham apenas o bônus gerado pela influência sobre a gestão, agora terão também o ônus de gerir duas grandes cidades”. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) – Jornal Grande Bahia)

O líder de governo da Assembleia Legislativa da Bahia, deputado Zé Neto (PT), comentou o resultado das eleições. Ele fez um balanço do desempenho do Partido dos Trabalhadores nas urnas e sobre a situação das demais legendas, da base e da oposição ao governo estadual.

Segundo o parlamentar, gerir as duas maiores cidades da Bahia será um grande desafio para os prefeitos eleitos e, também, um teste de capacidade.

“Esperei pacientemente e não me manifestei porque acho que era um direito da oposição comemorar a vitória, mas é importante lembrar que tanto em Feira de Santana como em Salvador o DEM esteve presente e comandando as máquinas administrativas. A diferença é que antes eles tinham apenas o bônus gerado pela influência sobre a gestão, agora terão também o ônus de gerir duas grandes cidades” disse.

O deputado Zé Neto (PT) destacou o número de prefeitos eleitos por cada legenda e comparou os resultados com as eleições de 2008. O parlamentar lembrou que o partido dos Democratas foi um dos que mais perdeu prefeituras em todo o Estado, deixou de eleger 33 prefeitos e passou de 42 prefeituras, em 2008, à 9 municípios sob sua administração a partir de 2013.

“O DEM perdeu muitas prefeituras na Bahia e as poucas que conquistou são, em sua maioria, pequenas cidades. O PT que elegeu 66 prefeitos em 2008, nestas eleições conquistou 93 prefeituras, ampliando a administração em mais 27 municípios. O PSD ganhou 70 prefeituras. Por aí caminha a vitória da base governistas. Em 2008, tínhamos 208 prefeituras, mas nas eleições de 2012 conseguimos 118 prefeitos a mais do que havíamos feito na eleição anterior. Chegamos agora à 326 municípios” enfatizou.

Zé Neto (PT) lembrou ainda as prefeituras de Salvador e de Feira de Santana não faziam parte do elenco comandado pelo PT e que os partidos de oposição venceram as eleições em 91 municípios, o que representa uma perda de 118 prefeituras se comparada com os resultados de 2008. PMDB, DEM e PSDB tiveram as maiores baixas e deixaram de eleger candidatos em 69, 33 e 19 municípios, respectivamente. “Esse é o quadro de quem fez festa ontem na Assembleia”, alfinetou o deputado.

Ele comparou os governos Wagner e Paulo Solto e finalizou o discurso destacando os reajustes salárias para professores e policiais, além dos benefícios obtidos por outras categorias.

“A oposição esqueceu que em oito anos de governo Paulo Solto os professores tiveram apenas 6,4% de ganho real acima da inflação. No governo Wagner, até março de 2013, os professores vão alcançar 54% de ganho real acima da inflação, ou seja, 8 vezes mais. Os governos anteriores nunca foram construtores de nenhuma ação histórica para professores e policiais ou qualquer outra categoria na Bahia. Esqueceram que em oito anos deram aos policiais militares um aumento de 20% acima da inflação. Em março de 2013, vamos chegar a 101% em ganho real acima da inflação, portanto, aproximadamente 5 vezes mais do que os oito anos do DEM. Não posso aqui senão comemorar com a Bahia os ganhos que tivemos nesses anos. A cidadania vem vencendo no Brasil e o tempo dirá, cada dia mais, quem tem realmente compromisso com as transformações que mudam para melhor a vida de brasileiros e baianos” concluiu.

A sessão foi realizada na tarde desta terça-feira (30/10/2012), no plenário da Assembleia Legislativa da Bahia.

Sobre Carlos Augusto 9661 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).