Em defesa do acarajé

Juarez Duarte Bomfim.
Juarez Duarte Bomfim.

Xico Sá, colunista da Folha de São Paulo (05/10/2012) escreveu:

Sobrou para o acarajé

Amigo torcedor, amigo secador, parece gozação de baiano, esse povo que sabe viver e tirar onda da existência, mas não é. A venda de acarajé pode ser proibida, a pedido da Fifa, nos arredores da Fonte Nova durante os jogos.

Será o triunfo definitivo do hambúrguer do McDonald’s, patrocinador da entidade, sobre os quitutes de Dona Flor e Gabriela. Pelo regulamento, num raio de dois quilômetros, os patrocinadores -da cerveja ao sanduíche- não podem enfrentar a concorrência dos ambulantes. Isso é que é livre iniciativa. Não estou na condição de dublê do patriota Policarpo Quaresma, o nacionalista radical do livro do Lima Barreto, só abestalhado com a história. Assim o requintado acarajé, patrimônio imaterial da humanidade, vai para o banco de reservas.

É notícia aparentemente sem importância, dirá o amigo, mas revela o absurdo do contrato fechado para sediar o circo. O clássico tropeiro do Mineirão, água na boca, nem pensar, meu velho. A tapioca em Fortaleza, o cachorro quente, carinhosamente batizado no Recife de “comeu-morreu” ou “Jesus me chama”, também serão castigados.

Como se não bastasse a Justiça pernambucana ter fechado o McBode, por solicitação de um ofendido McDonald’s, agora me vem essa determinação para a Copa.

O que é um estádio brasileiro sem um “churrasquinho de gato” fumegante, maldita gente da Fifa? Não existirá Itaquerão antes que um vendedor dessa impagável iguaria se instale diante dos seus portões. Não mesmo. E os espetinhos de cordeiro em Porto Alegre? Um dos melhores que comi na vida, com um Grenal arrepiante de sobremesa.

Cadê o nacionalismo do ministro Aldo Rebelo (Esporte), defensor da mandioca e do saci-pererê, em uma hora dessas?

Sobre Juarez Duarte Bomfim 741 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]