Desafios de ser professor(a) | Por Reginaldo de Souza e Leila Pio

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

No Dia do(a) Professor(a) queremos refletir sobre os desafios em exercer essa profissão (ou função) que, dada as suas características, pode ser considerada uma das atividades mais complexas da humanidade. Mas afinal, quais são os desafios de ser professor(a)?

A partir de sua principal atividade, que é a do ensino, podemos resumi-los em três grandes questões: o que ensinar? Como ensinar? E para que ensinar?

A primeira dessas questões (o que ensinar?) em geral ocupa a maior parte das discussões a respeito da atividade docente. Isto porque é a relação entre o ensino e o conhecimento gerado pela humanidade que justifica a existência das diversas instituições de ensino (escolas, faculdades, institutos, universidades etc.). Os conhecimentos ensinados nessas instituições têm como característica o fato de não poderem ser apreendidos pela humanidade de maneira espontânea, pois exige a mediação sistematizada de alguém ou de alguma coisa para que o outro também tenha acesso a ele. E é, justamente por isso que, para ser professor(a), para atuar como essa pessoa que vai mediar o acesso a esse conhecimento, não basta apenas conhecê-lo, é necessário saber como esse conhecimento foi produzido historicamente, qual a sua origem, e quais são as razões que determinaram que ele e não outro conhecimento fosse considerado necessário para o sujeito aprender. É preciso também saber como transformar esse conhecimento em “saber escolar”, ajustado, dosado e redefinido a partir das características de quem aprende e de seu nível de estudo.

Ter domínio do conhecimento, de suas formas de produção e transformá-lo em saber escolar, portanto, seria o primeiro desafio de ser professor. O que nos conduz a uma segunda questão: Como ensinar?

Além de dominar o conhecimento, suas formas de produção e transformá-lo em “saber escolar”, ser professor exige que também se saiba como ensinar; como mediar o acesso a esse conhecimento de forma que quem aprende efetivamente também passe a dominar o conhecimento. Para responder a essa questão, existem muitas respostas. Não teríamos aqui como explicitar cada uma delas, mas poderíamos afirmar que, de modo geral, elas se agrupam em três diferentes grupos. Em um deles, algumas dessas respostas defendem a explicação e a repetição como sendo as maneiras mais apropriadas de ensino. Em outro grupo de resposta, se argumenta que a melhor forma de ensinar é não ensinar, mas proporcionar ao sujeito que aprende a experiência e, assim, ele aprenderá a aprender. E, por fim, o terceiro grupo agregam as respostas que defendem que é o acesso ao conhecimento problematizado a partir da prática social, a maneira menos alienada de ensinar.

Portanto, o segundo desafio de ser professor, seria o de encontrar a sua resposta, a partir de estudos teóricos que a sustente e fundamente, e ter uma prática coerente com elas. Mas para alcançar esse patamar de compreensão e de resposta, faz-se necessário ter resposta para a terceira questão: Para que ensinar?

O ato de ensinar não está isento de intenções (mesmo que o professor não tenha consciência disso). Para que eu ensino?; Qual a relação entre esse conhecimento e a formação de quem aprende?, são algumas perguntas que precisam de respostas do professor. Respostas que determinarão a relação do professor com o conhecimento, com as maneiras de ensiná-lo e de se relacionar com quem aprende. Para tanto, o desafio contido aqui está em perceber que a sua atividade docente não está isolada de todo o contexto ao seu redor. E que esse contexto implica desde as dimensões mais amplas da sociedade até as mais específicas da instituição em que trabalha, compreendendo a relação entre elas. O terceiro desafio, assim, trata-se de perceber que a sua atividade de ser professor(a) é eminentemente política.

Diante desses três grandes desafios, poderíamos afirmar que para “ser” professor(a) é preciso “tornar-se” professor(a), em um processo longo que passa por uma formação específica e pelo exercício de uma prática consciente. Ninguém, portanto, nasce professor(a), mas, como em toda profissão, o(a) professor(a) nasce naquele(a)s que desejam ocupar essa função e que aceitam como contínuo o enfrentamento do desafio de encontrar as respostas do quê, do como e do para quê ensinar.

E para a nossa sociedade fica posto também um desafio: o de compreender que o trabalho do(a) professor(a) só poderá se efetivar plenamente se for devidamente valorizado através da garantia de uma formação adequada, de salários justos e de condições de trabalho dignas. Parabéns a todo(a)s por este dia!

Prof. Dr. Reginaldo de Souza Silva – NECA/UESB | (reginaldoprof@yahoo.com.br)

Profa. Dra. Leila Pio Mororó – NEFOP/UESB

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 114872 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.