Câncer de mama é tema de discurso da deputada Graça Pimenta

Movimento Outubro Rosa busca chamar a atenção da sociedade,explica Graça Pimenta. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Movimento Outubro Rosa busca chamar a atenção da sociedade,explica Graça Pimenta. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
Movimento Outubro Rosa busca chamar a atenção da sociedade,explica Graça Pimenta. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Movimento Outubro Rosa busca chamar a atenção da sociedade,explica Graça Pimenta. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

O aumento do número de casos do câncer de mama entre as mulheres do Brasil, em especial da Bahia, tem preocupado a deputada estadual Graça Pimenta (PR). Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) apontam que, até o final deste ano, o Estado vai registrar 2.920 novos casos da doença. O assunto levou a parlamentar a discursar na tribuna da Assembleia Legislativa (AL) nesta quarta-feira (17/10/2012).

“Como mulher, profissional de saúde e vice-presidente da Comissão de Saúde e Saneamento desta Casa, tenho o dever de vir a esta tribuna para alertar a sociedade sobre o aumento no número de casos do câncer de mama entre as mulheres do nosso Estado. Conforme levantamento feito pelo INCA, até o final deste ano a Bahia vai registrar quase três mil novos casos da doença. No país, o instituto estima o registro de 52.680 mil novos casos de câncer de mama”, explica a parlamentar.

As informações do INCA apontam ainda que o câncer de mama é o segundo mais frequente em todo o mundo e o mais comum entre as mulheres, sendo o responsável por 22% dos casos novos a cada ano. “O número de mortes por conta da doença é entristecedor. Conforme o Instituto, em 2010 o câncer de mama tirou a vida de 12.852 pessoas, sendo 12.705 mulheres e 147 homens. Em nosso país, as taxas de mortalidade devido ao câncer de mama permanecem elevadas”, acrescenta Graça Pimenta.

Diante dos dados, a parlamentar acredita que existe uma ameaça constante à sáude humana, principalmente a do público feminino. Um dos fatores apontados como favoráveis à morte de pessoas com essa doença é o diagnóstico em estágios avançados, o que dificulta o sucesso do tratamento. “Com o câncer de mama sendo diagnosticado e tratado de forma correta em tempo hábil, a previsão do tempo e qualidade de vida do paciente é relativamente bom. No mundo, a sobrevida média após cinco anos é de 61%”, declara.

Para chamar a atenção sobre o tipo de câncer em questão, durante todo este mês está sendo realizado o movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa. Iniciado nos Estados Unidos, na década de 90, os idealizadores do movimento escolheram outubro por conta dele ter sido o mês que o Congresso Americano aprovou como o Mês Nacional de Prevenção do Câncer de Mama. A cor rosa foi escolhida pela fundação que deu início ao movimento, difundido pelo mundo tempos depois.

 A iluminação em cor de rosa de prédios públicos e monumentos são a marca mundial de adesão ao movimento. “Todas as ações do Outubro Rosa buscam chamar a atenção sobre a importância da prevenção do câncer de mama através do diagnóstico precoce. Acredito que cabe aos poderes públicos implantar mais políticas públicas eficazes no que diz respeito a prevenir e tratar este tipo de câncer. Agindo assim, poderemos combater a doença de modo mais abrangente, possibilitando às nossas mulheres uma vida saudável”, finaliza Graça Pimenta.

Elevador Lacerda no Outubro Rosa.
Elevador Lacerda no Outubro Rosa.
Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9315 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).