Bahia gera mais de três mil empregos em setembro de 2012

No mês de setembro, a Bahia gerou 3.479 novos postos de trabalho com carteira assinada. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
No mês de setembro, a Bahia gerou 3.479 novos postos de trabalho com carteira assinada. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
No mês de setembro, a Bahia gerou 3.479 novos postos de trabalho com carteira assinada. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
No mês de setembro, a Bahia gerou 3.479 novos postos de trabalho com carteira assinada. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

No mês de setembro, a Bahia gerou 3.479 novos postos de trabalho com carteira assinada. Este resultado decorre, principalmente, da expansão no setor de Serviços (1.793 postos), Comércio (1.683 postos), Construção Civil (1.004 postos), Administração Pública (175 postos) e Extrativa Mineral (59 postos).  Os setores que contabilizaram retração no saldo de emprego formal foram o da Agropecuária (-928 postos), a Indústria de Transformação (-251 postos), e os Serviços Industriais e de Utilidade Pública (-56 postos). As informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), e foram sistematizadas pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), autarquia da Secretaria do Planejamento (Seplan).

Armando Castro, diretor de Pesquisas da SEI, analisa: “O resultado do Caged do mês de setembro aponta uma forte recuperação do setor de Construção Civil e uma continuidade da expansão do emprego nos setores de Serviços e Comércio, refletindo um bom desempenho dessas atividades na economia baiana”. Já no que diz respeito aos nove primeiros meses de 2012, a Bahia contabilizou um saldo de emprego de 45.659 postos de trabalho, levando-se em conta a série ajustada, que incorpora as informações declaradas fora do prazo. Este resultado representa o maior saldo emprego do Nordeste no acumulado do ano. Os demais saldos dos estados da região foram: Pernambuco (44.718 postos),Ceará (33.650 postos), Maranhão (16.556 postos), Paraíba (14.455 postos), Rio Grande do Norte (12.433 postos), Piauí (11.497 postos), Sergipe (8.643 postos) e Alagoas (-7.974 vagas).

RMS e interior do estado – Ao se analisar os dados referentes aos saldos de emprego para a distribuição intraestadual no mês de setembro de 2012, constata-se que os resultados do emprego, tanto no interior do estado, quanto na Região Metropolitana de Salvador, foram positivos. No interior, foram criados 2.171 empregos, correspondendo a 62,4% do total, enquanto na Região Metropolitana de Salvador foi apurado um saldo de 1.308 postos de trabalho gerados.

Quanto à geração de emprego de janeiro a setembro de 2012, a participação do interior do estado foi de 33.062 postos, ou 72,4% de todas as vagas abertas no estado. Já a RMS criou 12.597 empregos com carteira assinada, o equivalente a 27,6% das vagas celetistas.

Em setembro de 2012, Salvador, Feira de Santana e Casa Nova destacaram-se com os melhores desempenhos na criação de novas oportunidades de trabalho formal na Bahia. Salvador gerou 1.360 empregos, Feira de Santana registrou 1.178 empregos e Casa Nova apurou um saldo de 857 novas contratações formais. Entre os municípios com mais de 30 mil habitantes que tiveram os menores saldos de empregos em setembro de 2012 ressaltam-se Cruz das Almas (-294 vagas), Lauro de Freitas (-286 vagas) e Barra do Choça (-151 vagas).

No acumulado do ano os municípios que obtiveram melhor desempenho em termos de saldos de empregos formais foram Salvador (13.783 postos), Feira de Santana (7.344 postos) e Juazeiro (5.565 postos). Dentre os menores saldos encontram-se São Francisco do Conde, com retração igual a -2.049 vagas, Maragogipe, com -1.054 vagas e Porto Seguro, com -673 vagas.

O boletim completo e a análise por municípios e territórios de identidade estará disponível amanhã no site da SEI.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9608 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).