Presidente da Câmara Municipal de Feira de Santana propõe comissão para levar à PF denúncia de corrupção eleitoral

“Se houver mais vereadores que tenham conhecimento dessa compra de votos pode ser formada uma comissão para apresentar o fato à Polícia Federal”, sugere Ribeiro. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Se houver mais vereadores que tenham conhecimento dessa compra de votos pode ser formada uma comissão para apresentar o fato à Polícia Federal”, sugere Ribeiro. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Se houver mais vereadores que tenham conhecimento dessa compra de votos pode ser formada uma comissão para apresentar o fato à Polícia Federal”, sugere Ribeiro.  (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Se houver mais vereadores que tenham conhecimento dessa compra de votos pode ser formada uma comissão para apresentar o fato à Polícia Federal”, sugere Ribeiro. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

O presidente da Câmara de Feira de Santana, o vereador Antônio Francisco Neto – Ribeiro, está propondo aos seus pares que seja criada uma comissão de vereadores para levar denúncias à Polícia Federal relacionadas à compra de votos no Município.

A recomendação de Ribeiro foi feita após sucessivas denúncias do vereador Marialvo Barreto. Segundo o petista, há boatos a respeito de candidatos que “decidirão a eleição” no dia 7 de outubro de 2012“comprando cada voto por 100 reais”. Ele disse que fará denúncia ao delegado da Polícia Federal.

“Se houver mais vereadores que tenham conhecimento dessa compra de votos pode ser formada uma comissão para apresentar o fato à Polícia Federal”, sugere Ribeiro.

Para ele, é injusto políticos comprometidos com o bem estar social serem prejudicados junto aos eleitores por candidatos que oferecem bens ou vantagens em troca de votos.

O Código Eleitoral vigente  estabelece, no artigo 299, que a prática é configurada como crime eleitoral. A previsão de pena é reclusão de quatro anos e pagamento de cinco a 15 dias-multa.

O delito é tipificado na lei da seguinte forma: “Dar, oferecer, prometer, solicitar ou receber, para si ou para outrem, dinheiro, dádiva, ou qualquer outra vantagem, para obter ou dar voto e para conseguir ou prometer abstenção, ainda que a oferta não seja aceita”.

Leia +

Em Feira de Santana, Marialvo Barreto denuncia suposto “abuso de poder” de candidato a vereador do PT

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9976 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).