“Lula não vai dar apoio a obras”, diz vereador feirense Justiniano França, em crítica a estratégia petista. Confira debates da Câmara de Feira de Santana

“Que apoio o ex-presidente Lula poderá dar para trazer obras, se Dilma que é a presidenta do Brasil?”, questiona Justiniano Oliveira França. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
“Que apoio o ex-presidente Lula poderá dar para trazer obras, se Dilma que é a presidenta do Brasil?”, questiona Justiniano Oliveira França. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)
“Que apoio o ex-presidente Lula poderá dar para trazer obras, se Dilma que é a presidenta do Brasil?”, questiona Justiniano Oliveira França. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
“Que apoio o ex-presidente Lula poderá dar para trazer obras, se Dilma que é a presidenta do Brasil?”, questiona Justiniano Oliveira França. (Foto: Carlos Augusto | Jornal Grande Bahia)

Justiniano critica estratégia petista

 A utilização da imagem do ex-presidente Lula em programas eleitorais está sendo alvo de críticas do vereador Justiniano França.

Segundo o vereador do Democratas, o PT em Feira insiste em dizer que irá trazer obras com apoio de Lula. “Que apoio o ex-presidente Lula poderá dar para trazer obras, se Dilma que é a presidenta do Brasil?”, questiona.

No seu entendimento, esta atitude mostra à sociedade que o apoio dado pelo ex-presidente não é viável. “O papel de Lula no atual cenário político deveria ser as explicações sobre o mensalão”, disse.

Sobre obras anunciadas pelo candidato petista Zé Neto, o vereador lembrou que o novo SAC em Feira de Santana não é projeto do atual governo. “Passou mais de um ano com a obra parada propositalmente, para que fosse inaugurado próximo ao período eleitoral”.

Segundo Justiniano, esta seria a única obra com recursos do Governo do Estado em Feira de Santana. Outro ponto citado pelo oposicionista é a revitalização do aeroporto João Durval Carneiro:

“O candidato a prefeito do PT afirmou que o aeroporto só poderia funcionar para carga e descarga. Agora, no período eleitoral o candidato do PT em Feira mudou o seu discurso dizendo que o aeroporto poderá funcionar normalmente, com voos para diversas localidades”.

Democratas tentam “desconstruir” discurso de modernidade do PT, afirma Angelo 

Os Democratas apresentam, no contexto político local, um discurso de “desconstrução” da proposta de modernidade que o PT está levando ao eleitorado, nesta campanha. A análise é do vereador Angelo Almeida.

“Tentam tirar a credibilidade de um projeto moderno que o PT apresenta para esta cidade, a exemplo da implantação do Tri-Via”, diz o petista.

Segundo ele, o Tri-Via é um projeto inovador e capaz de diminuir significativamente os problemas de mobilidade urbana em Feira de Santana, setor que enfrenta grandes dificuldades.

Em sua opinião, a iniciativa de trazer a público o debate sobre a necessidade de um transporte coletivo de massa de qualidade para o município é fundamental para a modernidade de Feira de Santana.

Para o petista, militantes do Democratas “que querem denegrir a imagem do Partido dos Trabalhadores em Feira”, são os mesmos que diziam que o Hospital Estadual da Criança “não passava de uma obra eleitoreira do Governo do Estado”.

Câmara deve votar projeto dos moto-taxistas de acordo com interesses da categoria, defende vereador 

A Câmara deve votar a proposta que trata da concessão de exploração de serviço público para os moto-taxistas de acordo com a legalidade, a constitucionalidade e o interesse dos moto-taxistas. O entendimento é do vereador Roberto Tourinho.

“Não adianta votar um projeto que não seja exatamente aquilo que agrada a classe”, afirma. Tramitam, na Casa da Cidadania, dois projetos de lei que dispõem sobre o tema. Um é de autoria do Poder Executivo e o outro, do vereador Ronny.

Há polêmica em torno do assunto. Os moto-taxistas querem que as suas vagas no sistema sejam permanentes e não dependam de licitação, conquistas contempladas no projeto de Ronny.

O projeto do Executivo prevê processo licitatório, contrato a título precário – devendo ser renovado periodicamente – e a ampliação do sistema em mais 500 vagas, totalizando 1 mil moto-taxistas legalizados.

Tourinho questiona, no projeto do Governo, o inicio de vigência da lei – janeiro de 2013. Ele considera que há urgência nas reivindicações da categoria. “Observem que a Câmara concedeu apenas uma sessão no pedido de adiamento de pauta ao projeto do vereador Ronny”.

Segundo ele, foi frustrada a expectativa de que o prefeito enviasse um projeto contemplando os moto-taxistas conforme a proposta do vereador Ronny.

“A partir do momento em que foi criada uma comissão para se reunir e discutir este projeto de lei com o prefeito Tarcízio Pimenta, esperava-se que pelo menos o conteúdo do projeto fosse do desejo dos moto-taxistas”, disse.

Ele lembrou que a vereadora Eremita Mota, vice-líder governista, teria afirmado em plenário que o prefeito havia se comprometido de mandar à Câmara um projeto que atendesse aos trabalhadores.

Para Tourinho, da forma como a proposta foi encaminhada pelo prefeito, os moto-taxistas não querem que seja votado. “Se vocês não querem, não somos nós que vamos votar”, afirmou.

O presidente da Câmara, vereador Ribeiro, anunciou que os dois projetos – do Executivo e do vereador Ronny – vão ser submetidos à apreciação do Departamento Jurídico da Câmara, antes de entrar em pauta.

Governo anunciou Ceasa em Maria Quitéria, mas proposta não vingou, diz peemedebista 

O Governo Municipal anunciou a proposta de construir uma Ceasa (Central de Abastecimento) na zona rural, mas não a levou adiante. O comentário é do vereador Frei Cal.

 “Existe a ideia de que o Centro de Abastecimento seja transformado em um local exclusivamente voltado para o comércio varejista”, lembra o vereador.

A medida teria sido anunciada por Tarcízio Pimenta em 2010. Segundo o vereador, o prefeito disse que o governo construiria a Ceasa na região do distrito Maria Quitéria, “mas a obra não aconteceu”.

Frei Cal lembrou que chegou a haver uma reunião com moradores e sindicato para tratar do assunto.

Sobre Carlos Augusto 9508 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).