Programa de Melhoramento Genético beneficia agricultores da região de Alagoinhas

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

 O Programa de Melhoramento Genético desenvolvido pela Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA), para atender aos agricultores familiares do Estado, visa qualificar o plantel para a produção de leite, a partir da inseminação de matrizes, com sêmen de alto valor genético. Este material é disponibilizado, principalmente, a partir dos plantéis das raças Gir e Guzerá leiteiros, da empresa.

Na região de abrangência da Gerência Regional de Alagoinhas, este trabalho vem contribuindo significativamente para o melhoramento genético do rebanho, particularmente da agricultura familiar, que detém grande parte do rebanho regional. Os municípios de Pedrão, Conde e Itapicuru, além de Biritinga da regional de Serrinha, são os beneficiados com mais de 70 agricultores produtores de leite inseridos no programa.

Como um dos responsáveis pela ação, o médico veterinário e chefe do Centreleite, localizado na estação experimental da empresa, em Aramari, Sinval Luz Souza, diz que já trabalha, desde 2010, com o programa de melhoramento genético para produção de leite. As suas atividades de Ater, na região, começaram em 1992, em Inhambupe, e a partir de 1995, os maiores desempenhos foram com outros programas, também voltados para a atividade, os quais lhe deram mais experiências com a agricultura familiar, o que tem sido gratificante por ver a transformação das pequenas propriedades em áreas produtivas. “Com tecnologia adequada, as unidades familiares podem ser tão produtivas quanto às fazendas de médio porte, trabalhadas pela empresa”, comentou o técnico.

Em julho, Sinval Luz está cumprindo uma programação de visitas, dentro do Protocolo de Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF), que contempla os municípios beneficiados pelo programa e mais Inhambupe. Em Biritinga, onde a visita já aconteceu (02 e 03 de julho), foram beneficiadas 24 propriedades de agricultores familiares, com diagnóstico para implantação do protocolo de inseminação, que consta de aplicação de hormônio e posterior inseminação em mais de 320 animais.

Programa nas propriedades

Um exemplo citado de mudança no perfil da propriedade foi a Fazenda Povoação, no município de Pedrão, com 30 tarefas, de propriedade do agricultor familiar Jaime Marques (70). Nesse local, a equipe técnica já desenvolve o projeto a um ano, orientando não só na qualificação do rebanho, onde já inseminou nove das 15 vacas do agricultor, como na conservação e formação de pastagens. “A assistência técnica é fundamental para o trabalho de melhoramento genético do rebanho, pois é através dela que o agricultor tem acesso às tecnologias apropriadas para a sua realidade”, explicou o médico veterinário.

Apesar do longo período de estiagem, e da propriedade ter suspendido as suas atividades de inseminação, desde marco deste ano, os animais conseguiram subsistir e, hoje, os resultados já obtidos são perceptíveis. “São quatro bezerros lindos que nasceram, sendo duas fêmeas e dois machos. Não tem nem comparação com os meus animais antes do procedimento. Já quiseram até comprar as minhas bezerras”, disse, entusiasmado, Jaime Marques.

Através do programa, o chefe do Centreleite ainda orienta o agricultor, com ações de manejo alimentar, sanitário e reprodutivo. Nessas ações, estão incluídas a formação de pastagens, com a divisão dos pastos em piquetes, a formação de reserva alimentar estratégica – para enfrentar os períodos de seca –, com o plantio de cana, de capim de corte e palma, além da qualificação do produtor, através de eventos programados pelo Centreleite, como intercâmbio técnico, exposições e cursos.

O técnico comenta que apesar da seca na região, a capineira implantada na fazenda de seu Jaime resistiu, e um dos fatores apontados foi a calagem e a adubação fosfatada e nitrogenada realizada na área, permitindo um maior desenvolvimento das plantas. “Mais uma vez fica evidenciado a importância da Ater ‘de qualidade’ nas transformações de realidades das unidades familiares assistidas pela EBDA”, constata Sinval Luz Souza. Na propriedade de Jaime, os técnicos também estão orientando quanto à diversificação de culturas, incluindo a criação de suínos e de galinhas caipiras, alternativas de renda e alimento para a família, particularmente nos períodos de estiagem.

Uma realidade comparativa, Sinval fez com a fazenda Maravilha, de 276 hectares, do agricultor Euberlândio Guimarães (58). Essa propriedade, assistida pela EBDA, há mais de sete anos, transformou-se em Unidade Didática – para demonstração das tecnologias utilizadas –, a partir da atuação da empresa através do Proleite, programa na época em evidência.

Segundo o técnico, quando iniciou as atividades na fazenda Maravilha, em parceria com outro agrônomo da empresa, a propriedade estava em declínio, perdendo animais, sem acompanhamento quanto aos aspectos de manejo alimentar, sanitário e reprodutivo. “Começamos a prestar Ater, buscando um projeto que englobasse a compra de animais com aptidão leiteira e, paralelamente, a produção de alimentos, respeitando os princípios agroecológicos”, explicou.

Com a participação efetiva do proprietário, foram adquiridos novos animais de linhagem leiteira, e equipamentos para ordenha mecânica. Passou-se a utilizar a técnica de inseminação artificial, para a melhoria do plantel, e todo o sistema de pastagem e de reserva alimentar foi modificado, chegando aos resultados apresentados hoje: 90% da área cultivada em pastagens e 70 matrizes leiteiras, com 34 em lactação, com uma produção de até 475 quilos de leite/dia, e média de 11,7 litros/dia por vaca. “Hoje, passo boa parte do meu tempo acompanhando o dia a dia da minha fazenda. Só sinto falta de um estímulo à região, com a criação de uma bacia leiteira, que facilitaria no escoamento e comercialização da produção”, comentou Guimarães.

A propriedade ainda abriga 70 bovinos de corte e 120 ovinos, com área de preservação ambiental, respeitando as matas ciliares. Para atender aos períodos de seca, foi feita uma área de reserva estratégica alimentar, que ocupa quatro hectares de capim de corte e três de cana, usados também para ensilagem, já que a fazenda possui dois silos trincheira. A homeopatia e a fitoterapia também são utilizadas no tratamento de enfermidades. “Sempre contei com a orientação da EBDA, que nunca mediu esforços para me atender. Do ponto de vista pessoal, esta relação tem sido positiva, pois acumulei experiências e conhecimento para investir na bovinocultura leiteira”, garantiu Guimarães.

Para Sinval Luz, estas duas experiências podem demonstrar a importância da assistência técnica no campo, bem como do Programa de Melhoramento Genético, independentemente da classificação da propriedade. “O importante é verificar que apesar de todas as dificuldades de um agricultor familiar, a sua propriedade pode ser produtiva e competitiva, desde que assimile as orientações técnicas prestadas, e as incluam no cotidiano da fazenda”, concluiu.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 112840 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]