Leite sofre impactos da seca e é destaque em programação de Congresso na Bahia

Bahia compromete referência na produção do leite com a seca.
Bahia compromete referência na produção do leite com a seca.
Bahia compromete referência na produção do leite com a seca.
Bahia compromete referência na produção do leite com a seca.

Com a grave estiagem na Bahia – a maior dos últimos 40 anos – cerca de 250 municípios estão em estado de emergência, mais da metade de toda a Bahia. A falta de chuva impactou um dos setores mais importantes para a economia e também um dos mais essenciais à alimentação do brasileiro: a produção de leite. Com o terceiro maior rebanho leiteiro do País, a Bahia registra uma queda aproximada de um terço de sua produção, o que equivale a cerca de1,5 milhão de litros/dia. Por exemplo, a captação de leite do Laticínio Valedourado, na regiã de Ipirá, caiu de 100 mil litros de leite/dia para 18 mi/ dia.

Com o objetivo de contribuir para o combate dessa realidade, a Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (FAEB) promoverá o painel “Reservas Estratégicas para produção de leite no período seco” na 1ª edição da Agropec Bahia, congresso pioneiro que pretende ser o maior do gênero em todo o estado.  O painel está programado para o primeiro dia do evento, 18 de setembro, no Hotel Pestana e será formado por representantes da Universidade Federal de Uberlândia (Edmundo Benedetti), do Sebrae Sergipe (Paulo Suassuna) e da Embrapa ( Alexandre Pedroso).

Esta é apenas uma das ações do AGROPEC Bahia relativa à produção leiteira, já que parte de sua programação está dedicada  às discussões relacionadas ao produto:  qualidade do leite e o controle de mastite; manejo nutricional de bezerras; bovinocultura de leite: tendências e oportunidades; bem-estar animal e manejo de vacas em sala de ordenha são outros temas a serem debatidos.

Sobre Carlos Augusto 9406 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).