Cientistas podem ter inventado pílula para dizimar a malária. Nova superdroga pode matar o parasita causador da doença através de uma única dose

De acordo com a National Geographic, pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, desenvolveram um medicamento capaz de curar a malária com uma única dose.
De acordo com a National Geographic, pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, desenvolveram um medicamento capaz de curar a malária com uma única dose.
De acordo com a National Geographic, pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, desenvolveram um medicamento capaz de curar a malária com uma única dose.
De acordo com a National Geographic, pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, desenvolveram um medicamento capaz de curar a malária com uma única dose.

De acordo com a National Geographic, pesquisadores da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul, desenvolveram um medicamento capaz de curar a malária com uma única dose, matando o resistente parasita causador da doença instantaneamente.

Os tratamentos atuais estão baseados na administração de inúmeras drogas, contra as quais o parasita que causa a malária já se tornou resistente. O novo medicamento, por outro lado, mostrou-se extremamente efetivo, e testes realizados com animais durante os últimos 18 meses mostraram que essa droga parece não oferecer nenhum efeito colateral.

Os testes com humanos devem ter início no final do ano que vem e, caso o tratamento seja aprovado, a nova superdroga tem o potencial de ajudar a controlar ou, até mesmo, erradicar a doença. Além disso, segundo os pesquisadores, cerca de 24% das mortes de crianças na África subsaariana poderiam ser evitadas com o medicamento, enquanto milhões de pessoas em todo o mundo poderiam ser tratadas anualmente.

*Por Maria Luciana Rincon Y Tamanini, TECMUNDO

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9616 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).