Relator quer o fim dos 14º e 15 º salários de deputados federais, mas votação fica para depois do recesso parlamentar

Deputado Afonso Florence (PT-BA) deixou claro a sua posição contrária aos dois salários extras que os parlamentares têm direito.
Deputado Afonso Florence (PT-BA) deixou claro a sua posição contrária aos dois salários extras que os parlamentares têm direito.

 Há 50 anos foi instituído o 13º salário para os trabalhadores brasileiros, completados exatamente na última sexta-feira, 13 de julho de 2012. No entanto, deputados federais e senadores recebem até 15 salários, um privilégio para poucos.

Em seu primeiro mandato como deputado federal, o ex-ministro do Desenvolvimento Agrário e relator do projeto que extingue os 14º e 15º salários na Comissão de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania, Afonso Florence já deixou claro a sua posição contrária aos dois salários extras que os parlamentares têm direito.

Segundo ele, não é justo trabalhar 12 meses e receber por 15. “Alguns benefícios, mesmo legais, não são éticos e a população tem todo o direito de repudiar. Por outro lado, tudo tem um custo e é preciso pagar pelo funcionamento do Congresso Nacional”, diz.

Hoje, o pagamento desses adicionais é feito a título de ajuda de custo e atualmente corresponde ao valor de um subsídio mensal de R$ 26.723,13, sem desconto de impostos. “Estranhei haver um número superior de salários e de não ter incidência de impostos sobre os proventos. Espero que esse projeto seja aprovado o mais rápido possível”, explica Florence.

Apesar da pressa do relator, a Câmara Federal tem adiado a votação do projeto que corre em regime de prioridade (*). Em função do recesso parlamentar, a Comissão de Finanças somente voltará a se reunir no início do mês de agosto e, além disso, há dezenas de projetos à frente deste na lista de votação da Câmara.

(*) Na Câmara, as proposições são analisadas de acordo com o tipo de tramitação, na seguinte ordem: urgência, prioridade e ordinária. Tramitam em regime de prioridade os projetos apresentados pelo Executivo, pelo Judiciário, pelo Ministério Público, pela Mesa, pelas comissões, pelo Senado e pelos cidadãos. Também tramitam com prioridade os projetos de lei que regulamentem dispositivo constitucional e as eleições, e os projetos que alterem o regimento interno da Casa.

Sobre Carlos Augusto 9528 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).