Após enfrentar protestos no Rio, presidente Dilma Rousseff diz que manifestações são parte do processo democrático

Presidente Dilma Rousseff diz que manifestações são parte do processo democrático.
Presidente Dilma Rousseff diz que manifestações são parte do processo democrático.
Presidente Dilma Rousseff diz que manifestações são parte do processo democrático.
Presidente Dilma Rousseff diz que manifestações são parte do processo democrático.

Após ser recebida hoje (06/07/2012) com um protesto de servidores públicos por reajustes salariais e melhorias nas condições de trabalho, na entrada do Hospital Municipal Miguel Couto, no Leblon, zona sul da cidade do Rio, a presidenta da República, Dilma Rousseff, disse que a manifestação faz parte do processo democrático.

“Nós vivemos numa democracia”, comentou Dilma, ao ser abordada por jornalistas durante a inauguração da Coordenação de Emergência Regional, instalada ao lado da unidade de saúde, e que amplia a capacidade de atendimento intensivo no local. Dilma Rousseff não discursou durante a cerimônia.

Segundo contou depois o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que participou do evento, a presidenta também comentou o assunto com ele, dizendo que “o governo respeita a manifestação de trabalhadores e das organizações sindicais, o que faz parte do processo de negociação”.

Padilha enfatizou, no entanto, que é o Ministério do Planejamento que coordena as conversações sobre a questão salarial dos servidores federais. “É o Planejamento que coordena isso e ele [o ministério] tem mantido conversas com representantes de servidores federais de várias áreas”, disse.

Mais cedo, na chegada da comitiva ao Hospital Miguel Couto, o grupo de manifestantes, formado por profissionais das áreas de saúde e educação, cercaram os carros que levavam as autoridades. Com faixas e cartazes e gritando palavras de ordem, eles queriam ser recebidos pela presidenta para dialogar sobre as reivindicações.  Os veículos entraram pela porta dos fundos, com as janelas fechadas.

Já na unidade de saúde, as autoridades precisaram subir as escadas para conhecer o espaço, porque o elevador em que estava a presidenta, acompanhada do governador do Rio, Sérgio Cabral, do prefeito carioca, Eduardo Paes, e do ministro da Saúde, Alexandre Padilha, entre outros, não saiu do lugar.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9382 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).