Senador Eduardo Suplicy usa chapéu de Robin Hood no Senado para defender taxa para fundo internacional de combate à pobreza

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu ontem (21/06/2012), no plenário do Senado, a criação de um fundo internacional para erradicação da pobreza.
O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu ontem (21/06/2012), no plenário do Senado, a criação de um fundo internacional para erradicação da pobreza.
O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu ontem (21/06/2012), no plenário do Senado, a criação de um fundo internacional para erradicação da pobreza.
O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu ontem (21/06/2012), no plenário do Senado, a criação de um fundo internacional para erradicação da pobreza.

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) defendeu ontem (21/06/2012), no plenário do Senado, a criação de um fundo internacional para erradicação da pobreza que seja sustentado com recursos oriundos de uma taxa sobre operações financeiras.

Após discurso no qual sugeriu que todos no mundo tenham acesso a um programa de renda mínima semelhante ao Renda Básica de Cidadania criado por ele, o senador colocou um chapéu de Robin Hood, ícone da campanha para a criação do fundo internacional proposto por diversas organizações durante os eventos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.

Segundo o senador, a taxa sobre as movimentações financeiras ajudaria também a evitar movimentos especulativos. “Essa taxa poderia ser algo como 0,25% ou 0,2% apenas. Ela seria colocada como uma espécie de areia para dificultar [a fluidez] dos movimentos especulativos”. explicou.

Suplicy participou esta semana de manifestação no Rio de Janeiro para defender a proposta de taxar as movimentações financeiras internacionais a fim de arrecadar recursos para um fundo que atenderia aos mais pobres. Segundo ele, usar o chapéu de Robin Hood ao discursar no plenário do Senado foi uma promessa feita aos organizadores da manifestação.

“Muitos ali vestiram a camiseta da campanha Uma Taxa Robin Hood por um Mundo Sustentável que, esperamos, seja considerada pelos chefes de Estado [que estão no Rio de Janeiro participando da Rio+20] ”, disse Suplicy, segurando uma camiseta com os dizeres da campanha.

Sobre Carlos Augusto 9759 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).