MEC anuncia 2.415 vagas em cursos de medicina e Conselho Federal diz que ampliação de vagas põe em risco qualidade da formação médica

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anuncia a criação de vagas em cursos de medicina oferecidos por instituições públicas e particulares de educação superior. Na foto, o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Pessoa Lins, o ministro Mercadante, e o secretário de Regulação Superior do Ministério da Educação, Jorge Messias.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anuncia a criação de vagas em cursos de medicina oferecidos por instituições públicas e particulares de educação superior. Na foto, o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Pessoa Lins, o ministro Mercadante, e o secretário de Regulação Superior do Ministério da Educação, Jorge Messias.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anuncia a criação de vagas em cursos de medicina oferecidos por instituições públicas e particulares de educação superior. Na foto, o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Pessoa Lins, o ministro Mercadante, e o secretário de Regulação Superior doMinistério da Educação, Jorge Messias.
O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, anuncia a criação de vagas em cursos de medicina oferecidos por instituições públicas e particulares de educação superior. Na foto, o secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Amaro Henrique Pessoa Lins, o ministro Mercadante, e o secretário de Regulação Superior do Ministério da Educação, Jorge Messias.

Ministério da Educação (MEC) anunciou hoje (05/06/2012) um plano para ampliar a formação de médicos no país. Serão criadas 2.415 vagas, algumas em cursos já existentes e outros em novos, tanto em universidades públicas como em particulares. O crescimento representa 15% das vagas de medicina do país. De acordo com o ministro, Aloizio Mercadante, parte das vagas estará disponível no segundo semestre deste ano.

O argumento do governo é que a relação de médicos por habitantes no Brasil é muito baixa em comparação a outros países. De acordo com o MEC, a média brasileira é 1,8 médico por mil habitantes, enquanto no Uruguai, por exemplo, o índice é 3,7 e na Espanha 4.

Mercadante reconheceu que o problema não é só de quantidade de médicos, mas da distribuição dos profissionais no território. Segundo ele, o Ministério da Saúde estuda medidas para estimular a permanência dos médicos em cidades do interior, principalmente do Norte e Nordeste do país.

“Não basta simplesmente uma política de interiorização das faculdades de medicina, é preciso uma política para atrais esses profissionais para onde há baixa disponibilidade de médicos no serviço de saúde”.

Do total de vagas que serão criadas, 800 são em nove instituições privadas e 1.615 em 27 universidades federais. A maior quantidade será no Nordeste: 775. O Norte terá 310 vagas, o Centro-Oeste 270, o Sudeste 220 e o Sul 40.

O ministro disse que a ampliação será feita “com qualidade”. Um dos critérios para autorizar a abertura de novas vagas foi o desempenho dos cursos nas avaliações do MEC.

Tanto o Conselho Nacional de Educação (CNE) quanto o Conselho Nacional de Saúde (CNS) precisam autorizar esses processos e um dos pré-requisitos é a disponibilidade de leitos no Sistema Único de Saúde (SUS) para que o aluno possa cumprir a parte prática do curso. De acordo com o ministro, novas autorizações de vagas estão sob análise do CNS.

“Para cada vaga são necessários cinco leitos do SUS. O aluno tem que ter a experiência prática médica concreta durante a faculdade”.

A meta é chegar em 2020 com uma média de 2,5 médicos por mil habitantes. “Essas vagas [anunciadas hoje] continuam insuficientes, elas terão que ser ampliadas. As vagas que começamos a ofertar hoje só vão formar os primeiros profissionais daqui a seis anos e até lá existe uma carência muito grande de médicos”.

De acordo com Mercadante, serão contratados 1,6 mil professores nas universidades federais, por meio de concurso. O investimento inicial alcançará R$ 399 milhões.

Conselho Federal de Medicina diz que ampliação de vagas põe em risco qualidade da formação médica

O Conselho Federal de Medicina (CFM) divulgou nota criticando o plano anunciado hoje (5), pelo Ministério da Educação (MEC), para ampliar as vagas nos cursos de medicina do país. Para a entidade, não faltam médicos no Brasil e as medidas poderão colocar em risco a qualidade da formação médica. “A abertura de novas escolas ou o aumento no número de vagas nas existentes é uma atitude desprovida de conteúdo prático e de bom senso”, diz o texto.

O plano prevê a criação de 2.415 vagas em instituições públicas e particulares. O argumento do governo é que a relação de médicos por habitantes no país está muito abaixo de países da Europa, dos Estados Unidos e mesmo da América Latina. O CFM, entretanto, alega que a média nacional de 1,95 médico a cada grupo de mil habitantes é superior ao índice mundial. Segundo o MEC, essa média é menor, 1,8 médico por mil habitantes. O conselho defende que o problema não está na quantidade de médicos, mas na distribuição dos profissionais pelo território.

“No entanto, em todos os estados, há relatos de falta de profissionais na rede pública, o que decorre, essencialmente, da falta de estímulos para a fixação dos profissionais nas áreas remotas do interior e nas periferias dos grandes centros urbanos”, diz o CFM.

O conselho considera preocupante o número de escolas médicas com resultados ruins na avaliação do MEC e que o problema decorre da “abertura indiscriminada de novas vagas e novos cursos”. “De 2000 a 2012, praticamente dobrou o total de escolas médicas no Brasil – de 100 para 185 estabelecimentos do tipo”, segundo o conselho.

Ao anunciar o plano, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, disse que a expansão não será feita em detrimento da qualidade e que apenas cursos e instituições bem avaliados poderão abrir vagas. Parte das vagas estarão disponíveis a partir do próximo semestre.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 113635 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]