Em Feira de Santana, Centro Industrial do Subaé recebe investimento de R$ 117 milhões para setor eólico

Centro Industrial do Subaé recebe investimento de R$ 117 milhões para setor eólico.
Centro Industrial do Subaé recebe investimento de R$ 117 milhões para setor eólico.
Centro Industrial do Subaé recebe investimento de R$ 117 milhões para setor eólico.
Centro Industrial do Subaé recebe investimento de R$ 117 milhões para setor eólico.

O Centro Industrial do Subaé (CIS) vai diversificar os negócios de seu parque industrial. Com o investimento de R$ 117 milhões e geração de 800 empregos diretos, o centro, com sede em Feira de Santana, irá sediar a Aeris Energy, empresa especializada na fabricação de pás para turbinas geradoras de energia eólica. A assinatura do protocolo de intenções ocorreu na segunda-feira (11/06/2012), durante encontro na Secretaria da Industria, Comércio e Mineração (Sicm), em Salvador.

“A Aeris é a primeira fabricante de pás de energia eólica a decidir pela instalação no estado”, pontuou o secretário de Indústria, Comércio e Mineração, James Correia. O CIS e a cidade de Feira de Santana foram escolhidos por disporem de mão de obra acessível e infraestrutura necessárias. “Feira de Santana fica perto das rodovias, o que facilita o escoamento da produção para todo Bahia, além de ter mão de obra qualificada disponível”, observou o diretor executivo da Aeris Energy, Bruno Vilela Cunha.

Com capital 100% nacional, a unidade da Aeris em Feira de Santana será instalada em uma área de 400 mil metros quadrados, desapropriada com investimentos de R$ 6 milhões por parte do governo baiano. A fábrica, com previsão de inauguração até o final de 2013, terá capacidade máxima para produzir duas mil pás por ano. “O Governo do Estado está tomando medidas que vão fomentar a compra de equipamentos da cadeia eólica pelos parques que se implantarem na Bahia”, declarou o secretário James Correia.

Para Bruno Vilela Cunha, a Bahia tem o diferencial que justifica a escolha do estado para sediar a unidade. “Escolhemos a Bahia devido o potencial do estado e pela política agressiva do governo para formar o cluster baiano da energia eólica”, declarou.

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).