Eleições 2012: Crise no PTN de Feira de Santana coloca em cheque liderança do deputado Carlos Geilson

Deputado Carlos Geilson, liderança posta em cheque dentro do PTN de Feira de Santana. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)Deputado Carlos Geilson, liderança posta em cheque dentro do PTN de Feira de Santana. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)


A recente declaração do deputado estadual Carlos Geilson, de que “As pessoas tem que escolher a quem são fiéis: as legendas as quais se filiaram ou aos seus compromissos pessoais. O PTN está sendo bastante claro nesta questão. A orientação em Feira de Santana é para o partido apoiar a candidatura democrata e tenho insistido nessa questão: quem não seguir essa orientação partidária tem todo o direito de sair do partido. Não há o que reclamar, não há porque ficarmos discutindo. Esse é um direito da executiva e ela irá exercê-lo. Aqueles que não estiverem satisfeitos que peçam pra sair. E o partido tem o direito de negar a legenda àqueles que não estão de acordo com as suas normas”. Colocou em rota de colisão com a bancada do partido na Câmara Municipal de Feira de Santana.

A Troika, formada pelos vereadores Roque Pereira, David Neto e Ewerton Carneiro da Costa (Tom) manteve a posição de apoio ao prefeito de Feira de Santana, Tarcízio Pimenta. Que é candidato a reeleição pelo PDT. Os edis fizeram duras declarações de desaprovação a condução do Partido Trabalhista Nacional (PTN) em Feira e afirmam que não vão ‘trair’ o prefeito.

A crítica ácida partiu do vereador Tom que afirma, “eu tenho direito de apoiar quem eu quero; a minha eleição quem me deu foi Deus e o povo”, e segue afirmando que os vereadores do PTN devem apoiar a reeleição do prefeito Tarcízio Pimenta. “Caso contrário, seremos chamados de traidores. Eu prefiro não sair candidato do que deixar de apoiar o atual prefeito, ao qual sou fiel”.

Pimenta prestigiou, ao longo do mandato, os vereadores da base, concede-lhes espaço no governo com a indicação de nomes, além da realização de obras e serviços nas bases dos edis. Este fato criou vínculos com a comunidade que identificam um apoio reciproco entre os vereadores e o prefeito.

Geilson defende alinhamento com Ronaldo

Vice-presidente estadual do PTN da Bahia e presidente da executiva municipal de Feira de Santana, Carlos Geilson afirma que as alianças do partido em todo o estado passam por decisões da direção nacional e da executiva estadual do PTN na Bahia.

“Nenhuma aliança a nível municipal está sendo feita sem orientação das executivas nacional e estadual e o mesmo acontece aqui em Feira de Santana, onde as alianças são estratégicas para o partido por ser a segunda maior cidade da Bahia e a maior do interior do estado.”

Como em todas as legendas, o PTN de Feira também tem que seguir as orientações da executiva estadual, lembrou Carlos Geilson. Segundo o deputado, hoje, a aliança preferencial do PTN é com os partidos de Oposição e, preferencialmente, com o Democratas. E isso está ocorrendo em diversos municípios baianos como Irecê, Camaçari, Nazaré, onde o partido irá lançar candidatura própria e conta com o apoio do Democratas e em outras em que o PTN apoia o candidato democrata. “A aliança PTN/DEM é histórica e não seria diferente em Feira de Santana”, disse.

Outro ponto levantado pelo parlamentar é o da fidelidade partidária, que foi estabelecida pelo Supremo Tribunal Federal (STF) desde 2007. Os afiliados de uma legenda devem seguir a orientação do partido, detentor do mandato eletivo. Caso o detentor do mandato não esteja satisfeito com as normas partidária, tem o direito de sair da legenda.

Segunda-feira decisiva

Nesta segunda-feira (11/06/2012), às 18h30, Carlos Geilson promove ato público, no auditório do Feira Palace Hotel, com objetivo de homologar a decisão de apoio a candidatura de José Ronaldo. Caso os vereadores não compareçam, a liderança de Carlos Geilson se tornará frágil, demonstrando que ele lidera apenas a ele mesmo.

O deputado obteve cerca de 30 mil votos na última eleição. Mesmo contando com um cacife eleitoral de quase 10% dos votos, sua liderança esbarra no fato do partido ter se mantido fiel ao governo de Pimenta. Sair do poder no último ano de governo, certamente soará como traição para muitos. Algo que o vereador Tom e os demais colegas de legenda se opõem.

Reunião com Ronaldo

Nos bastidores, comenta-se que Carlos Geilson promoveu uma reunião entre o pré-candidato a prefeito José Ronaldo (DEM) e os vereadores do PTN. Mas, mudanças de posição ainda não foram externadas. Durante o lançamento da pré-candidatura de José Ronaldo na CDL, Geilson não contou com a companhia dos edis. O que sinalizava uma ruptura entre a liderança maior do partido, e as lideranças locais.

Geilson resiste

O deputado Carlos Geilson tem resistido às preções de adesão ao governo de Jaques Wagner, e se mantido como uma das poucas vozes que restam às oposições na Bahia. Ele mira em um público que não está satisfeito com o atual governo, e que podem identificar nele o principal nome de oposição.

Com firme convicção, Geilson critica o governo Wagner e se mantém fiel ao grupo dos Democratas, que conta com a liderança do deputado federal ACM Neto e de José Ronaldo. A resistência lhe custou o comando do Programa Carlos Geilson, atual Subaé Notícias. Também pode lhe custar, em Feira de Santana, a liderança sobre os principais vereadores do partido.

PEC no Senado

Para completar o clima de guerra interna no PTN, e de afirmação de posições. Tramita no Senado da República, uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que acaba com coligações para deputado e vereador. De acordo com a PEC, as coligações seriam mantidas somente nas disputas por cargos majoritários, ou seja, senador, prefeito, governador e presidente da República.

O senador José Sarney (PMDB-AP), autor da PEC, argumenta que “a experiência brasileira demonstra que as coligações nas eleições proporcionais, de forma geral, constituem uniões passageiras, efêmeras, estabelecidas durante o período eleitoral por mera conveniência”.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

About the Author

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).