Depois de duas turnês de sucesso, o absurdo de “Os Javalis” volta à cena em Salvador

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Volta a cartaz em sua segunda temporada na cidade, a montagem "Os Javalis". O espetáculo, assistido por mais de 3 mil pessoas estará de 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos, às 20h, no Teatro Molière.
Volta a cartaz em sua segunda temporada na cidade, a montagem "Os Javalis". O espetáculo, assistido por mais de 3 mil pessoas estará de 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos, às 20h, no Teatro Molière.
Volta a cartaz em sua segunda temporada na cidade, a montagem "Os Javalis". O espetáculo, assistido por mais de 3 mil pessoas estará de 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos, às 20h, no Teatro Molière.
Volta a cartaz em sua segunda temporada na cidade, a montagem "Os Javalis". O espetáculo, assistido por mais de 3 mil pessoas estará de 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos, às 20h, no Teatro Molière.

Volta a cartaz em sua segunda temporada na cidade, a montagem “Os Javalis”. O espetáculo, assistido por mais de 3 mil pessoas estará de 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos, às 20h, no Teatro Molière, da Aliança Francesa (Ladeira da Barra), em Salvador. A peça, escrita e dirigida pelo dramaturgo Gil Vicente (Sargento Getúlio), e que teve leituras encenadas em Portugal e na Itália, retorna aos palcos após circular pelo interior da Bahia e encerrar o Festival do Teatro Brasileiro, em Fortaleza, sempre com casa cheia e ótima recepção do público. Os ingressos custam R$20 (inteira) e R$ 10 (meia).

O que seriam esses javalis? Um neo-imperialismo, a violência, a solidão, a política? A peça é uma obra aberta e que pretende provocar reflexões, e não trazer ideias prontas e respostas no palco. Os atores Carlos Betão (Gabriela –  Sargento Getúlio) e Marcelo Praddo (Boca de Outro), interpretam Homem A e Homem B, que na estão sitiados, em casa, por um ataque de Javalis em fúria, que parecem ter devorado todos os moradores da cidade, deixando um rastro de destruição. Segundo Gil Vicente, a peça é uma metáfora política que discute diversos problemas da contemporaneidade, mas que também faz o público rir o tempo todo. “Será que esses javalis realmente existem?”, provoca.

O texto “Os Javalis” teve sua inspiração nas peças absurdas, tema do doutorado defendido por Gil ano passado, e faz referências à peça “Os rinocerontes”, de Eugène Ionesco. A montagem sofreu poucas alterações, e continua fiel ao estilo que marca a proposta do Teatro NU: cenário enxuto, com poucos elementos em cena; ênfase no texto e na interpretação dos atores.

Teatro NU desnudando a cena

Criado em 2006, o grupo oferece um drinque após a estreia de ” Os Javalis”, no dia 07 de julho, em comemoração aos seis anos do grupo. O Teatro NU investe numa estética que desnuda o placo de artifícios, efeitos e elementos em excesso, focando no trabalho do ator e sua relação com a cena, a intercena e o texto. O Teatro NU, recentemente premiado com o Braskem 2011 de melhor espetáculo por “Sargento Getúlio”, tem um constante diálogo com a dramaturgia contemporânea, não só montando autores baianos e de fora, mas também com um site onde pode-se ter acesso a boa parte da dramaturgia baiana através de um breve biografia e algumas das peças desses autores, que podem ser lidas ou baixadas pela rede. O site também conta com um histórico do grupo, notícias sobre novos projetos e uma página dedicada à cultura e à cidade, com colunistas de peso como Bete Wagner, Claudio Marques e Jussilene Santana. Vale lembrar que Carlos Betão também foi premiado como melhor ator pelo Braskem 2011, por sua interpretação do Sargento Getúlio, dividindo a cena com outro ganhador do Braskem, Marcelo Praddo, este em 2002 por sua atuação em “Boca de ouro”.

Serviço:

Peça: “Os Javalis”

Data: 07 a 29 de julho de 2012, todos os sábados e domingos.

Hora: 20h

Local: Teatro Molière, da Aliança Francesa (Salvador)

Preço: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia).

O texto "Os Javalis" teve sua inspiração nas peças absurdas, tema do doutorado defendido por Gil ano passado.
O texto "Os Javalis" teve sua inspiração nas peças absurdas, tema do doutorado defendido por Gil ano passado.
Sobre Carlos Augusto 9652 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).