Crescimento econômico brasileiro deve aumentar, diz relatório da ONU

Crescimento econômico brasileiro deve aumentar. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Crescimento econômico brasileiro deve aumentar. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Crescimento econômico brasileiro deve aumentar.  (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Crescimento econômico brasileiro deve aumentar. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

O crescimento brasileiro deve aumentar neste e no próximo ano devido ao aumento dos fluxos monetários e dos gastos públicos. A informação consta do relatório”Situação e Perspectivas Econômicas Mundiais 2012″, apresentado nesta quinta-feira em Nova York.

O informe, das Nações Unidas, aponta que uma queda na produção industrial brasileira, acompanhada do aumento do valor do Real, levou o governo do país a introduzir incentivos fiscais para estimular a atividade da indústria.

Impacto

Em entrevista à Rádio ONU, de Brasília, o diretor do escritório no Brasil da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe, Cepal, Carlos Mussi, disse que ainda é dificil prever o impacto da crise mundial na economia brasileira.

“O Brasil tem um grande mecanismo de proteção que é o seu mercado interno. Mas a Europa traz oscilações, tanto diretamente pelo comércio com o Brasil, como também ao criar um clima de muita incerteza nos mercados finaceiros mundiais”.

Potencial

Em contrapartida, a economia mundial tende a diminuir em 2012, com a maioria das regiões expandindo menos que seu potencial. Segundo o informe, a situação atual da zona do euro continua a ser a maior ameaça aos mercados financeiros em todo o mundo.

Mussi comentou também sobre o impacto que a realidade financeira global pode ter para o Brasil, na melhor e pior das hipóteses.

“A pior é o que o mercado chama de ‘sudden stop’, ou seja, a paralização dos fluxos financeiros, e isso terá um impacto na economia brasileira mesmo com as reservas e vários mecanismos de proteção que nós temos. E o melhor, é claro, se o mundo volta a crescer como um todo, o Brasil pode voltar a ter uma participação importante nos mercados de exportação dele, de commodities e manufaturas, e dar uma tranquilidade para a construção do seu mercado interno”.

Austeridade

O relatório assinala que a maioria dos países desenvolvidos ainda estão tentando se recuperar da crise mundial de 2008-2009. O documento ressalta que várias medidas de austeridade fiscal para atenuar a crise podem ter agravado a situação.

O informe conclui que é importante que se mude o foco financeiro para sustentabilidade econômica a médio e longo prazo.

*Camilo Malheiros Freire, da Rádio ONU em Nova York.

Sobre Carlos Augusto 9462 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).