“Pais tentam transferir os filhos de escola estadual devido à greve, mas rede privada rejeita migração”, denuncia vereador Lulinha. Confira debates da Câmara de Feira de Santana

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

Pais tentam transferir os filhos de escola estadual devido à greve, mas rede privada rejeita migração 

Pais de alunos da rede estadual em Feira de Santana estão transferindo seus filhos dessas escolas para unidades privadas de ensino. Em algumas desses estabelecimentos particulares, já ocorre a rejeição de transferências. A constatação é do vereador Luiz Augusto de Jesus – Lulinha.

A recusa das escolas privadas é em razão de que com os dias parados, devido à greve dos professores, que já ultrapassou  40 dias, os alunos estariam  afetados em relação ao ano letivo.  O vereador responsabiliza o Governo do Estado pela crise

O vereador Marialvo Barreto, que é professor, confirmou a informação de que escolas particulares não estão aceitando alunos transferidos da rede estadual.

De acordo com o Ministério da Educação (MEC), o ano letivo do ensino básico tem duração de 200 dias, distribuídos nos meses de fevereiro a dezembro, com férias escolares em junho e janeiro.

Os professores estão em greve em protesto contra a aprovação do projeto de lei nº 19.779/12, que concederá aumento de 3% em 2013 e 4% em 2014. A categoria reivindica reajuste de 22,22% e cobra o cumprimento de acordo assinado com o Governo do Estado, no ano passado.

Câmara faz homenagem in memoriam pelo centenário de nascimento da professora Helena Assis Suzarte 

Diretora da antiga Escola Normal de Feira de Santana e considerada maior educadora feirense de todos os tempos, a professora Helena Assis Suzarte teve seu centenário de nascimento lembrado em sessão especial realizada, ontem (24/05/2012), pela Câmara Municipal.

O evento, de iniciativa do vereador José Carneiro, contou com a presença de autoridades, familiares, ex-alunos e pessoas que conviveram da professora, que nasceu em 22 de maio de 1912 e faleceu em 11 de setembro de 1997.

O presidente da Câmara, Antônio Francisco Neto – Ribeiro, comandou os trabalhos. O secretário de Educação de Feira de Santana e ex-aluno de Helena Assis Suzarte, o professor José Raimundo de Azevedo, representou o prefeito Tarcízio Pimenta.

O vereador Reinaldo Miranda – Ronny  foi responsável pelo  discurso de saudação aos convidados. Ele fez um relato da biografia da homenageada, que exerceu vários cargos e lecionou diversas disciplinas na educação pública em Feira de Santana.

A professora foi a primeira mulher a ser convidada a concorrer a um cargo eletivo no município de Feira de Santana, atendendo a apelos de amigos, colegas e alunos. Ela, no entanto, não teve entusiasmo pela campanha, ficando entre os primeiros suplentes.

Reconhecendo o valor da professora, várias entidades a homenagearam  com títulos, diplomas honoríficos e honrarias diversas. O reconhecimento do seu trabalho fez com que o município fizesse uma escola com o seu nome no bairro Caseb.

O Governo do Estado, por sua vez a homenageou também dando-lhe o seu nome a uma escola no conjunto Feira X. Através de uma votação popular Helena Assis tem seu nome em uma alameda do Shopping Boulevard.

Colégio Modelo seria chamado Helena Assis, não fosse a morte de Luiz Eduardo

Amiga, aluna e colega de trabalho da professora Helena Assis Suzarte, a também professora Elza Santos Silva mostrou-se satisfeita com a homenagem à mestra.

A sessão especial realizada pela Câmara foi em comemoração ao centenário de nascimento da professora, que lecionou Pedagogia, Psicologia, Matemática, Estatística e Francês, em escolas públicas de Feira de Santana.

“Segundo Elza Santos Silva, a professora era “uma bem aventurada como mestra”.” Ser mestre não é apenas ser professor que diz comumente aprenda comigo. Mas o mestre pode dizer aprenda em mim”, afirmou.

O professor e bancário aposentado Luiz Assis, sobrinho da homenageada, destacou que a Câmara Municipal prestou-lhe uma justa homenagem por ter sido Helena Assis a maior educadora de Feira de Santana.

“Ela foi um exemplo de educadora e um exemplo extraordinário de ser humano”, afirmou. Contou uma novidade sobre as muitas homenagens concedidas à professora Helena Assis.

O nome da professora teria sido sugerido ao então governador Paulo Souto para ser dado ao Colégio Modelo Luiz Eduardo Magalhães. A homenagem só não ocorreu porque nesse período o deputado Luiz Eduardo faleceu, tendo seu nome indicado pelo governo seguinte, de César Borges.

Ele disse ainda que  o Governo do Estado decidiu então prestar- lhe uma homenagem colocando seu nome em uma escola no Feira X.

Por “falta de pagamento” pelo Estado, comandantes de companhias da PM estão sem usar o celular 

Comandantes de companhias da Polícia Militar em Feira de Santana estão sem poder usar o aparelho celular corporativo. A informação é do vereador Ailton Rios – Ailton Mô.

Além deste problema, o telefone de emergência da PM no município estaria, segundo o vereador, com irregularidades no seu funcionamento. “A comunidade não consegue falar com a PM pelo 190”, reclamou.

Em discurso na Câmara Municipal, esta semana, o vereador lamentou o fato e observou que a situação ocorre em virtude de “falta de pagamento” por parte do Governo do Estado.

Para Ailton Mô, o quadro reflete o “momento crítico” da segurança pública em Feira de Santana.

“É por esta e outras razões que, a cada ano, a violência aumenta na nossa cidade. Este ano, já temos 63 homicídios a mais que o mesmo período do ano passado”, afirmou.

Para o vereador, o líder do Governo na Assembleia Legislativa, o deputado Zé Neto, embora represente Feira de Santana, “não tem tido força” para fazer com que o Estado “dê mais atenção à cidade”.

Wagner faz o inverso do que pregava, afirma Lulinha

O vereador Lulinha disse que o governador Jaques Wagner  faz  “o inverso” do que prometia e criticava no passado. “O resultado é o descaso na saúde, educação e segurança pública”, afirma.

“Um governo que era contra privatização, agora privatiza; condenava a contratação por meio do Reda e adota o PST, que é pior do que Reda”, comparou o vereador.

Vereador vê “falta de habilidade” do Governo do Estado em negociações com servidor 

A “falta de habilidade” do Governo do Estado, na negociação com os servidores, foi alvo de críticas do vereador Antônio Carlos Ataíde – Carlito do Peixe, em discurso na Câmara Municipal.

Para o vereador, filiado ao DEM e oposicionista do governo Jaques Wagner na Câmara, as greves na Polícia Militar e na educação, com os professores, demonstram a fragilidade do governo petista nas negociações com os trabalhadores.

O experiente vereador, que por dois mandatos ocupou a presidência da Câmara, disse que os atuais dirigentes do governo baiano “prometeram soluções para todos os problemas, em campanha, mas não consegue resolver nem mesmo parte das grandes questões”.

“É uma maravilha fazer oposição. Quando se assume o Governo, parte para tentar fazer as melhorias que se imagina, enfrenta a máquina, vê que é outra coisa”, afirmou Carlito do Peixe.

De acordo com o vereador, o Estado não consegue viabilizar medidas para diminuir o drama da população em áreas cruciais da administração, como saúde e segurança pública.

“Salvador continua recebendo muita gente do interior para tratamentos e exames; não há assistência do Estado nas diversas regiões”, lamenta.

Vereador protesta contra atraso na construção da piscina do Oyama Pinto; líder garante que em 40 a 50 dias obra será concluída 

Dentro de 40 a 50 dias estará pronta à obra da piscina semi-olímpica do Complexo Poliesportivo Oyama Pinto, localizado no bairro Campo Limpo, às margens da BR 116 Norte, a rodovia Feira – Serrinha. A informação é do vereador Maurício Carvalho.

Líder da bancada governista na Câmara, Maurício respondeu ao vereador Roberto Tourinho, que mais uma vez protestou, na Casa da Cidadania, pela demora na conclusão da obra.

O oposicionista disse que a obra está atrasada em mais de um ano, embora esteja faltando muito pouco para terminar. E atacou o Governo Municipal pela demora.

Maurício disse que manteve contato com o secretário de Planejamento do Município, José Marcone Paulo de Souza, sobre o assunto, recebendo uma resposta objetiva:

 “O secretário me assegurou que resta apenas o deck a ser concluído. A piscina será inaugurada em breve, para que a população possa utilizá-la”.

Festival de Sanfoneiros é “lição” para Secretaria de Cultura, afirma vereador 

O Festival de Sanfoneiros de Feira de Santana, realizado em sua 5ª edição, pela  Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs), na quarta-feira (23), fica como uma “lição de moral para a Prefeitura de Feira de Santana”, afirmou o vereador Frei Cal.

Ele disse que a Prefeitura Municipal não realiza nada, no decorrer do ano, que caracterize, verdadeiramente, uma ação cultural na cidade. Enquanto isso, a Uefs consegue através do Festival de Sanfoneiros de Feira de Santana “atrair artistas de diversos municípios e até de outros estados brasileiros”.

Segundo Frei Cal, a Secretaria Municipal de Cultura, Esporte e Lazer “só se preocupa com os grandes festejos tradicionais, como a Micareta e as festas juninas”.

Sobre o Festival de Música Vozes da Terra, promovido pela Prefeitura de Feira de Santana, Frei Cal declarou: “é um evento muito interessante, mas morreu, não vai mais para lugar nenhum; não consegue mais elevar o nome da cidade, como tem feito o Festival de Sanfoneiros”.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9296 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).