OMS lança plano de emergência para erradicar a pólio

Criança recebe vacina contra a poliomielite.
Criança recebe vacina contra a poliomielite.
Criança recebe vacina contra a poliomielite.
Criança recebe vacina contra a poliomielite.

Falta de financiamento prejudica campanhas de vacinação em 24 países com alto risco de transmissão; são necessários US$ 1 bilhão até 2013.

A Iniciativa Global para Erradicação da Pólio lançou nesta quinta-feira um plano de emergência para combater a paralisia infantil. São necessários US$ 1 bilhão, ou mais de R$ 2 bilhões até 2013.

Segundo a Organização Mundial da Saúde, OMS, que faz parte da Iniciativa, a verba é necessária para campanhas de vacinação onde a poliomielite ainda é endêmica, como Nigéria, Paquistão e Afeganistão.

Urgência

Em Genebra, ministros que estão reunidos na Assembleia Mundial da Saúde concordaram que a “situação é urgente”. Eles devem lançar uma resolução para declarar “a completa erradicação da pólio como emergência para a saúde pública global.”

De acordo com a OMS, a falta de financiamento prejudica campanhas de vacinação em 24 países. Só neste ano, foram registrados 55 casos. Mas segundo estimativas, a falha em erradicar a poliomielite poderia deixar 200 mil crianças paralisadas, por ano, até a próxima década.

Índia

A agência cita casos de sucesso obtidos nos últimos dois anos. A Índia, por exemplo, saiu da lista de países endêmicos em fevereiro.

Segundo o Ministério da Saúde do Brasil, o país está livre do vírus que causa a pólio desde os anos 90.

Além da OMS, a Iniciativa Global para Erradicação da Pólio é formada pelo Unicef, a Rotary Internacional, a Fundação Bill & Melinda Gates e governos nacionais.

Com informações de Leda Letra, da Rádio ONU em Nova York.

Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).