Governo da Bahia decide pagar salários cortados de professores, caso a categoria volte às aulas

Governo Jaques Wagner flexibiliza negociações. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)
Governo Jaques Wagner flexibiliza negociações. (Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia)

Sempre aberto ao diálogo e com o objetivo de garantir o retorno das aulas na rede estadual de ensino, o Governo do Estado da Bahia informou ao arcebispo de Salvador, Dom Murilo Sebastião Ramos Krieger, que assegura a continuidade do diálogo com os professores e que não efetuará a suspensão do pagamento do salário do  mês de maio, caso a categoria retorne, imediatamente, às atividades.

A proposta prevê, ainda, o pagamento do salário cortado de abril e a criação de um calendário conjunto com a Secretaria da Educação para reposição das aulas e  o cumprimento do ano letivo em sua totalidade.

Hoje, em 230 municípios, as escolas da rede estadual estão funcionando normalmente. Das 1.422 escolas existentes, mais de 630 unidades estão com aulas normais para os estudantes.

Sobre Carlos Augusto 9514 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).