FMI estuda retirada da Grécia da zona do euro

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sinalizou que a instituição analisa a possibilidade de retirar a Grécia da zona do euro.
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sinalizou que a instituição analisa a possibilidade de retirar a Grécia da zona do euro.
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sinalizou que a instituição analisa a possibilidade de retirar a Grécia da zona do euro.
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sinalizou que a instituição analisa a possibilidade de retirar a Grécia da zona do euro.

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, sinalizou nessa terça-feira (15/05/2012) que a instituição analisa a possibilidade de retirar a Grécia da zona do euro. Segundo ela, a medida é tecnicamente possível, mas pode custar caro. Lagarde disse que as autoridades gregas ainda têm algum tempo para seguir as orientações relativas ao plano de contenção, definido pelo FMI e pela União Europeia (UE).

“Se os compromissos não forem respeitados, correções apropriadas podem ser feitas, ou seja, ou são atribuídos mais recursos e mais tempo ou são implementados mecanismos para a saída”, disse a diretora. “[A saída da Grécia da zona do euro] seria extremamente cara e representaria grandes riscos, mas faz parte das opções que somos obrigados a estudar tecnicamente”.

As dificuldades econômicas da Grécia se agravaram nos últimos dias, pois as autoridades não conseguem consenso para formar um governo de coalizão. O presidente da Grécia, Carolos Papoulias, sinalizou que devem ser promovidas eleições legislativas na tentativa de buscar um acordo em torno de nomes para a nova equipe de governo.

A instabilidade política assusta a população grega, que faz retirada dos bancos. Apenas ontem, os gregos sacaram cerca de 700 milhões de euros das contas bancárias. O ex-ministro das Finanças da Grécia Evangelos Venizélos disse que, desde 2009, mais de 16 bilhões de euros foram sacados de contas do país e enviados ao exterior, sobretudo para o Reino Unido e a Suíça.

Sobre Carlos Augusto 9719 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).