Europa quer transformar crise política em crise econômica, diz ex-presidente Lula

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva disse hoje (30) que os países europeus estão “tentando transformar uma crise política em crise econômica”.
O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva disse hoje (30) que os países europeus estão “tentando transformar uma crise política em crise econômica”.
O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva disse hoje (30) que os países europeus estão “tentando transformar uma crise política em crise econômica”.
O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva disse hoje (30) que os países europeus estão “tentando transformar uma crise política em crise econômica”.

O ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva disse hoje (30/05/2012) que os países europeus estão “tentando transformar uma crise política em crise econômica”. Segundo ele, falta decisão política para resolver a crise, que poderia ser solucionada se os países ricos investissem no desenvolvimento social e no consumo de suas sociedades.

“É a primeira vez que temos uma crise em que fazemos os pobres serem menos pobres. [Os países da Europa devem] gastar menos dinheiro para livrar a cara dos banqueiros e ajudar os pobres. Em vez de cuidar do banco, a gente tem de cuidar do povo”, disse Lula.

O desenvolvimento sustentável também foi lembrado por Lula. Para ele, os países ricos devem pagar pela manutenção das florestas dos países da América Latina e da África. “Vai ter a Rio +20 [Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável]. Queremos ser levados em conta em relação àquilo que a gente está propondo [na área ambiental]”.

O ex-presidente discursou hoje (30/05/2012) no Fórum Ministerial de Desenvolvimento, em Brasília, evento cujo debate é focado em temas econômicos e sociais. Essa é a primeira vez que o Brasil sedia o evento. Lula elogiou o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) pela produção do evento. Segundo ele, antes não havia espaço para discutir experiências sociais bem sucedidas.

“O sucesso das coisas que aconteceram foi exatamente a gente priorizar o que era tratado de forma secundária. No mundo inteiro, pobre era tratado como estatística e não como ser humano. Pobre é muito reconhecido em época de eleição”, disse o ex-presidente.

Lula destacou os programas sociais que desenvolveu durante seu governo, como o Fome Zero e o Bolsa Família. “O Brasil tem algumas experiências que podem contribuir para isso, incluir o pobre como cidadão da história e não como coadjuvante. Poderia orgulhosamente dizer que tiramos 28 milhões da pobreza extrema. Quem ousasse cuidar de pobre era chamado de populista, assistencialista e demagogo”.

Ele também elogiou a presidenta Dilma Rousseff ao dizer que ela deveria servir de exemplo para os países ricos. “Ao assumir o governo teve o papel de manter com a sensibilidade de mãe. Ela será sempre justa e é com essa convicção que vejo a presidenta governar o país”. Lula também criticou as pessoas que não acreditavam na eleição de Dilma. “Diziam que a Dilma era um poste, que nunca foi política, nunca foi vereadora, prefeita, que ela é muito dura. Dura quando o necessário, mas meiga 90% do dia”.

O ex-presidente destacou ainda o programa Brasil sem Miséria, lançado há um ano. “[O programa] vai procurar os pobres que não foram colocados no Bolsa Família. São mais de 800 mil pessoas localizadas, mais 800 mil consumidores nesse país. É o pobre comprando o que comer”.

Lula apenas discursou no Fórum Ministerial de Desenvolvimento e não conversou com os jornalistas.

Sobre Carlos Augusto 9512 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).