Embasa investe R$ 535 milhões em ações de enfrentamento aos efeitos da seca

Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada.
Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada.
Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada
Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada
Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada.
Adutora do Algodão. Obras estruturantes do Programa Água para Todos e ações emergenciais minimizam impacto causado pela estiagem prolongada.

Até o dia 08 de maio, 229 municípios baianos decretaram situação de emergência por consequência dos efeitos da seca. O número de cidades que sofrem com a falta de chuva vem aumentando a cada dia. Afinal, a estiagem prolongada já é considerada a maior das últimas três décadas na Bahia. Integrando as ações do Governo do Estado no enfrentamento aos efeitos da seca, a Embasa está realizando ações nos sistemas de abastecimento de água de 108 municípios que estão em situação mais crítica. Desses, 85 já contam com intervenções em andamento.

As ações totalizam cerca de R$ 535 milhões, sendo R$ 221 milhões de recursos próprios da Embasa. “Além de grandes obras estruturantes do Programa Água para Todos com conclusão prevista para este ano, que vão levar água de qualidade a regiões com falta de disponibilidade hídrica, a empresa também está investindo em ações emergenciais”, declara Abelardo de Oliveira Filho, presidente da Embasa.

Obras estruturantes 

Irecê

Para fazer frente à queda contínua do volume do lago da barragem de Mirorós, a Embasa está com as três etapas de construção da Adutora do São Francisco em pleno andamento. Com valor total de R$ 178,6 milhões, a obra, de 132,2 quilômetros, é o maior empreendimento executado pelo Governo do Estado em abastecimento e vai levar água do rio São Francisco, a partir do município de Xique-xique até a microrregião de Irecê, beneficiando cerca de 350 mil pessoas em 210 localidades. A previsão é de que a obra seja entregue em outubro deste ano. No final de abril, o governador Jaques Wagner acompanhou o andamento da obra da adutora.

Serão beneficiados, inicialmente, 16 municípios: Irecê, América Dourada, João Dourado, Lapão, Ibipeba, Ibititá, Barro Alto, Barra do Mendes, Canarana, Presidente Dutra, Uibaí, São Gabriel, Jussara, Central, Cafarnaum e Itaguaçu da Bahia.

Guanambi

Outra obra estruturante, realizada pela Embasa é a implantação da Adutora do Algodão, que permitirá a solução do problema de suprimento de água de forma definitiva na microrregião de Guanambi. Isso porque os lagos das barragens de Ceraíma e Magro, mananciais utilizados para abastecer a região, também vem apresentando redução em seu volume.

Com investimento de R$ 98,2 milhões, o sistema adutor terá 265 quilômetros de extensão e vai levar água do rio São Francisco, no município de Malhada, para beneficiar 226 mil pessoas em 13 distritos de sete municípios (Malhada, Iuiú, Palmas de Monte Alto, Candiba, Pindaí, Matina e Guanambi) e inúmeras localidades situadas ao longo da área de influência da adutora, inclusive a população rural. A previsão é de que o sistema seja entregue em setembro de 2012.

Região do Sisal                                          

Cerca de 172 mil pessoas serão beneficiadas com a construção da primeira etapa da adutora de Pedras Altas, que interligará a Barragem de Pedras Altas, em Capim Grosso, ao sistema de Abastecimento de Água do Sisal. A obra, orçada em R$ 59,4 milhões e executada pela Embasa, vai melhorar a vida dos moradores de 20 municípios: Várzea da Roça, Capela do Alto Alegre, Pintadas, São José do Jacuípe, Gavião, São Domingos, Valente, Retirolândia, Nova Fátima, Conceição do Coité, Pé de Serra, Ichu, Candeal, Santa Bárbara, Capim Grosso, Santa Luz, Queimadas, Quixabeira, Várzea do Poço e Riachão do Jacuípe.

O sistema adutor do Sisal utiliza reservatório da barragem de São José do Jacuípe, que apresenta elevador teor de cloretos, tornando a água salobra. A obra, com conclusão prevista para julho, representa o esforço da Embasa e do Governo do Estado para garantir, a um número maior de baianos, o acesso a água potável de qualidade e em quantidade suficiente para suas necessidades.

Obras emergenciais 

Além das obras estruturantes, a Embasa está realizando ações emergenciais para garantir o abastecimento nos municípios em situação crítica. Entre as ações, estão:  integração de sistemas de abastecimento de água com disponibilidade hídrica aos sistemas que se encontram em colapso, em função da redução do volume dos mananciais; abastecimento alternativo da população por meio de carros-pipa; e colocação em operação de poços que apresentam água com qualidade apropriada para consumo humano, integrando ao sistema distribuidor.

Utilização racional dá água

Devido ao período de seca em algumas regiões da Bahia e a consequente diminuição do nível dos mananciais (barragens, açudes, rios e poços) utilizados para abastecimento, a Embasa vem adotando, em alguns municípios, a medida preventiva de distribuir água em regime de racionamento. “A distribuição de água tratada nesse regime é a única forma de garantir a continuidade do serviço até que volte chover na região”, explica o presidente da empresa, Abelardo de Oliveira Filho.

Na prática, significa que, com menos água para distribuir, os imóveis atendidos pela Embasa terão água nas torneiras em menos dias da semana. Como medida para ter acesso a água nos períodos de desabastecimento, a população deve reservar o recurso, instalando uma caixa d’água de acordo com as necessidades diárias da sua família, como determina a Resolução n° 001 da Comissão de Regulação dos Serviços Públicos de Saneamento da Bahia (Coresab). Além disso, deve fazer o consumo racional da água distribuída, evitando desperdício e usos menos importantes como irrigação de jardins, lavagem de carros, calçadas, áreas externas, entre outros espaços.

“A Embasa não tem poder de polícia para punir aqueles que, porventura, promovam desperdício ou não façam uso racional da água, mas está fazendo sua parte alertando a população para a gravidade da falta de disponibilidade hídrica e corrigindo com rapidez eventuais vazamentos na rede distribuidora”, ressalta Abelardo. Nos municípios em que há o racionamento, a empresa está desenvolvendo campanhas nos meios de comunicação para alertar a população e distribuindo o calendário dos dias em que distribuirá água.

Municípios com racionamento de água 
América Dourada Irecê Mundo Novo
Andorinha Itaquara Palmas de Monte Alto
Aracatu Itiruçu Pilões
Barra do Mendes Itiúba Pindaí
Barro Alto Jacobina Piripa
Belo Campo Jaguaquara Piritiba
Caetanos Jaguari Planaltino
Caetité João Dourado Presidente Dutra
Canarana Jussara Quixabeira
Candiba Lagoa real Rio do Antônio
Caraíbas Lajedo do Tabocal Rio do Pires
Central Lapão São Gabriel
Guajeru Licínio de Almeida Saúde
Guanambi Maetinga Tanhaçú
Ibicoara Mairi Tremendal
Ibipeba Malhada de Pedras Uibaí
Ibipitanga Maracás Várzea do Poço
Ibititá Miguel Calmon Vitória da Conquista
Irajubá Mirante
Iramaia

 

Municípios que podem entrar em racionamento em junho caso não chova em maio
Antônio Gonçalves Palmeiras
Bonito Pé de Serra
Brotas de Macaúbas Pintadas
Campo Formoso Riachão do Jacuípe
Candeal São Domingos
Capela do Alto Alegre São José do Jacuípe
Capim Grosso Seabra
Gavião Senhor do Bonfim
Ichu Serrolândia
Lençóis Valente
Nova Fátima Várzea da Roça


Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109848 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]