Em Feira de Santana, escassez de merenda escolar nas escolas municipais vai ser denunciada ao MEC. Confira debates da Câmara Municipal

Denúncias feitas por professores indicam que várias escolas da rede municipal de ensino estão sem a merenda escolar, segundo o vereador Roberto Tourinho. | Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia
Denúncias feitas por professores indicam que várias escolas da rede municipal de ensino estão sem a merenda escolar, segundo o vereador Roberto Tourinho. | Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia
Denúncias feitas por professores indicam que várias escolas da rede municipal de ensino estão sem a merenda escolar, segundo o vereador Roberto Tourinho. | Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) - Jornal Grande Bahia
Denúncias feitas por professores indicam que várias escolas da rede municipal de ensino estão sem a merenda escolar, segundo o vereador Roberto Tourinho. | Foto: Carlos Augusto (Guto Jads) – Jornal Grande Bahia

Escassez de merenda escolar 

Denúncias feitas por professores indicam que várias escolas da rede municipal de ensino estão sem a merenda escolar, segundo o vereador Roberto Tourinho. Ele fez o pronunciamento na Câmara, hoje (03/05/2012), sobre o assunto, mas omitiu nomes, para evitar possíveis retaliações aos docentes que lhe passaram as informações

Conforme o vereador, o Governo Federal repassa o valor correspondente à merenda escolar. Partindo desse pressuposto, ele acha inadmissível a escassez de alimentos nas escolas municipais de Feira de Santana.

O líder da bancada de oposição suspeita de desvio de dinheiro da merenda escolar. Em vista disso, afirmou que vai denunciar a Prefeitura Municipal de Feira de Santana ao Ministério da Educação (MEC).

Ele observa que muitas vezes, a única alimentação consistente que as  crianças recebem é a merenda escolar. “Embora seja uma merenda, para muitos é a alimentação, porque hoje não se distribui apenas biscoito e suco, o cardápio inclui também arroz, macarrão, carne e outros produtos saudáveis que contribuem sobremaneira para o desenvolvimento desses alunos”.

“Quero merenda professora”, “estou com fome pró”, “quero ir embora”, “não vou fazer o dever sem comer”, são  as frases mais utilizadas pelas crianças em sala de aula.

O vereador Lulinha, sem citar nomes, disse que, recentemente, denunciou que alunos estavam levando garrafinhas de água para uma escola do Município, por recomendação do diretor, porque faltava água até para beber.

Líder do Governo garante que mais de 90% da rede municipal tem merenda regularmente 

O líder da bancada governista, Maurício Carvalho, cobrou do vereador Roberto Tourinho a relação das escolas municipais que não estariam fazendo a distribuição da merenda escolar. O oposicionista se prontificou a entregá-lo.

Segundo Maurício, mais de 90% das escolas públicas do Município fornecem merenda escolar com regularidade. “Sempre haverá o momento em que a escola A, B ou C terá atraso de um ou dois dias na distribuição da merenda escolar. Mas daí se achar que está faltando merenda nas escolas é bem diferente”, afirma.

Maurício disse que o problema da distribuição de merenda escolar não é culpa da  administração. “A maioria, na verdade, se deve por razões que transcendem a vontade do gestor, porque há situações de licitação pública, que tem que ser realizada, mas nem sempre o certame ocorre de forma rápida, uma vez que a própria lei estabelece os limites. Também temos situações na logística de distribuição dessa merenda”, afirmou.

Para ele, a situação não é de caos, “como quer caracterizar Tourinho”.  Maurício também fez questão de ressaltar que o Governo Municipal, através da Agricultura Familiar, tem valorizado o homem do campo de Feira de Santana e que esses agricultores vêm participando, de forma pioneira, do fornecimento da merenda escolar da cidade.

“É uma medida que merece aplausos de cada um de nós, porque estamos priorizando os nossos agricultores, incrementando a economia do nosso município”, observa.

Jaguara: carro-pipa só chega em locais autorizados por liderança política, diz vereador 

Enfrentando uma das piores estiagens dos últimos anos, moradores do distrito de Jaguara estão denunciando um problema de interferência política no abastecimento de água por meio de caminhão-pipa naquela região.

Conforme o vereador Luiz Augusto – Lulinha, em algumas comunidades do distrito o  carro-pipa só chega onde uma determinada liderança política local autoriza.

“As informações que obtive são de que o veículo com a água só passa em um local se houver ordem de Nadinho. É ele quem autoriza”, afirma o vereador.

O fato estaria ocorrendo em locais como Sítio do Meio, Conceição, Cascalheira e Malhador. “Ele é quem tem a força política, segundo a comunidade”.

Em discurso na Câmara, o vereador  chamou a atenção do secretário de Agricultura do Município, Ozeny Moraes,  para apurar o  que está ocorrendo.

“Não se pode permitir que intermediários estejam agindo na distribuição de água na zona rural, em um período de seca como o que estamos vivendo”, advertiu.

Chácara lança fezes de porcos no ambiente e causa invasão de moscas no Fulô 

As comunidades do povoado do Fulô e adjacências, em Humildes, estão sendo vítima de uma verdadeira “epidemia de moscas”. A informação é do vereador Marialvo Barreto (PT). Em discurso na Câmara Municipal, o petista disse que o problema é provocado pela chácara São Matheus, com seu criatório de porcos e outros animais.

Segundo o vereador, o fato já foi levado ao conhecimento da Secretária de Saúde, desde a gestão da enfermeira Deniose Mascarenhas, mas nada foi feito pelas autoridades municipais.

Recentemente, ao visitar o povoado, Marialvo disse que o proprietário da chácara estava lançando fezes de suínos por aspersão no local. Além do Fulô, comunidades como Fazenda Coqueiro e Doutor sofrem os efeitos. “Ninguém aguenta mais”, adverte o vereador.

A Associação Comunitária do Fulô entregou documento ao prefeito Tarcízio Pimenta em janeiro de 2010, pedindo providências, mas também não obteve resposta.

Esta semana, diz Marialvo, o dono da chácara resolveu lançar fezes na região por sistema de encanação. “Até quem passa de carro na estrada está sofrendo. Um desrespeito ao meio ambiente, esse criatório de porcos, cavalos e bovinos”. Além de fezes,  vísceras de porcos mortos são lançadas no capim.

Corte de ponto faz professor receber apenas R$ 100,00 de salário  

A decisão do Governo do Estado, que cortou o ponto dos professores em greve, causou grande prejuízo à categoria, informa o vereador Sargento Joel.

Segundo o  vereador, com base em informações recebidas por amigos que lecionam em escolas da rede estadual, teve professor que recebeu R$ 100 este mês, devido ao corte dos dias não trabalhados.

 Solidário ao movimento dos professores, Joel disse ser contra esse corte do salário porque os professores estão lutando por uma causa justa. “Quem deu 22 por cento aos professores foi o ministro da Educação. Agora temos que apoiar essa classe muito importante para a sociedade”, afirmou.

Evento do Sindicato dos Trabalhadores Rurais é criticado por vereador 

Evento promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Feira de Santana, no distrito Bonfim de Feira, foi tema de discurso do vereador Roque Pereira, na sessão desta quarta-feira (2) da Câmara.

Segundo o vereador, não existem motivos para realização de festas no Dia do Trabalho. “O que é que nós temos? Animais morrendo de cedo, seres humanos bebendo água já como lama e toda vegetação virou  cinzas”, afirmou. Sua insatisfação, segundo disse, é que não vê “nenhum motivo do Sindicato dos Trabalhadores Rurais fazer comemoração”.

  O vereador relatou ainda que esteve na manhã de quarta-feira na Prefeitura conversando com o secretário da Agricultura, Ozeny Moraes, que disse a ele que neste período os moradores da zona rural estão pedindo água, mas não há recursos para contratar mais carros pipa.

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9994 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).