Dois governadores são convocados a depor na CPMI do Cachoeira

Logomarca do Jornal Grande Bahia
Logomarca do Jornal Grande Bahia

Por motivos diferentes, a convocação dos governadores de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), e do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), para depor na Comissão Parlamentar de Mista de Inquérito (CPMI) do Cachoeira acabou sendo bem recebida tanto pela liderança do PSDB quanto pelo relator da comissão, que é do PT.

O líder do PSDB na Câmara, deputado Bruno Araújo (PE), disse que o partido estava satisfeito por ter conseguido atingir o objetivo de convocar o governador petista nos mesmo moldes da convocação de Marconi Perillo. “Nós temos uma grande diferença. O governador do PSDB tomou a iniciativa, veio ao Congresso, disse que quer falar, exigiu a sua convocação. O outro [Agnelo], que foi tomado de surpresa, que não imaginava vir a esse ambiente da CPI. O PSDB está absolutamente satisfeito”, disse o líder.

Já o relator da comissão, o deputado petista Odair Cunha (MG), disse que o trabalho dele será o de “individualizar condutas”. Ele acredita que as convocações de Agnelo e dos demais governadores citados no processo não seriam fundamentais neste momento. “Nos temos que individualizar condutas, não podemso tratar os diferentes de maneira igual. Claro que a vinda do governador Agnelo também contribui com a nossa investigação. O que eu defendi, essencialmente, foi que esse tema não fosse decidido agora. Poderia ser decidido mais adiante, havendo a investigação”.

Odair Cunha avisou que todos que prestarem depoimento agora, enquanto os trabalhos ainda se iniciam, podem ser reconvocados. E reconheceu que há indícios de envolvimento dos governadores citados com o empresário goiano Carlos Augusto ramos, o Carlinhos Cachoeira, suspeito de comandar uma rede de tráfico de influência de jogos ilegais.

“Há indícios mais contundentes no que diz respeito aos dois governadores [Perillo e Agnelo]. É claro que há níveis diferentes de envolvimento com a organização criminosa [de Cahoeira]. [No caso do] governador Marconi Perillo, é muito mais evidente o seu envolvimento. [No caso do] governador Agnelo Queiroz, [é] menos evidente. É claro que a vinda deles vai ser a oportunidade de darem as explicações necessárias”, disse o relator.

Perillo foi convocado com votação unânime. Ontem (29/05/2012), ele já havia informado à CPMI que gostaria de prestar depoimento. A convocação de Agnelo, por sua vez, foi aprovada por 16 votos favoráveis e 12 votos contrários. Já o pedido de convocação do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), foi rejeitado pelo plenário da CPMI.

O relator disse que não há, por enquanto, indícios da ligação de Cabral com esquema investigado pela CPMI. Mas ressalvou que a convocação do governador fluminense pode ser reavaliada. “Não há indicio de envolvimento do governador Cabral com o senhor Carlos Cachoeira, com a organização criminosa. É claro que eu falo a partir da realidade de provas que nós temos neste momento. O governador Cabral ou qualquer outra pessoa pode comparecer à CPMI quando nós acharmos adequado e necessário”, disse Cunha.

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 106729 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]