Vereador feirense Frei Cal critica discriminação contra religiões afro-brasileiras. Confira debate da CMFS

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

As religiões afro-brasileiras sofrem de forte preconceito e discriminação. A declaração é do vereador Frei Cal, em alusão ao Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial. Em discurso na sessão de quarta-feira (21/03/2012) da Câmara, o vereador, que já foi frei capuchinho, disse que esses segmentos religiosos ainda sofrem ataques de pessoas que não respeitam o direito do outro.

De acordo com o vereador, na Bahia, especialmente, preconceito e discriminação racial ainda são muito fortes. “É preciso uma conscientização da sociedade para que todos exerçam com liberdade o direito que lhes é garantido”, disse ele.

O Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial surgiu em razão do Massacre de Shaperville. A iniciativa da homenagem partiu da Organização das Nações Unidas (ONU).

Em 21 de março de 1960, em Joanesburgo, na África do Sul, 20 mil pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe. A legislação obrigava a população negra a portar um cartão determinando os locais onde era permitida sua circulação.

Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos.

AFAS aumenta em mais de 100% preços de sepultamentos no cemitério São Jorge

O cemitério São Jorge, administrado pela Associação Feirense de Assistência Social, aumentou em mais de 100% os valores cobrados para sepultamentos, segundo informa o vereador Roque Pereira.

Em pronunciamento na Tribuna da Câmara, o vereador disse que o sepultamento em cova simples, que custava R$ 230,00, passou para R$ 500,00, enquanto a gaveta aumentou de R$ 250,00 para R$ 600,00. Roque lembrou que o São Jorge é o único cemitério público de Feira de Santana.

Ele relatou que, no ano passado, o “eterno” presidente da Afas, Ewerton Cerqueira, aumentou abusivamente os preços das covas e gavetas, porém uma comissão formada de vereadores e proprietários do ramo de funerária conseguiu convencer o presidente da Associação que reduzisse os valores.

No último sábado, no entanto, o presidente da AFAS retornou com a majoração dos preços. O vereador espera que o prefeito Tarcízio Pimenta tome as devidas providências para conter os valores abusivos praticados no cemitério São Jorge.

“Se o presidente da Afas não acatar a nossa reivindicação, eu vou entrar com um requerimento no Ministério Público para que a Prefeitura tome posse do cemitério São Jorge”, afirma.

De acordo com Roque Pereira, que é proprietário de funerária, no cemitério Campo Santo, localizado na Federação, em Salvador, é gratuito o sepultamento para as pessoas que residem no bairro.

Ele ressaltou que a mesma situação ocorre com o cemitério Quinta dos Lagos, que é um cemitério municipal. “Os moradores não pagam quando se trata de cova, independentemente de sepultamento de indigente. No tocante a gaveta cobra-se R$ 700,00. Estamos falando da capital baiana”, disse.

Mesmo valor pago a Ivete deve ser investido em 50 bandas locais com cachê de R$ 10 mil, defende Marialvo

A Prefeitura de Feira de Santana deveria contratar 50 bandas feirenses com cachê de R$ 10 mil cada, para se apresentar na Micareta 2012. A proposta é do vereador Marialvo Barreto.

Ele justifica: “Se o cachê de Ivete Sangalo vai custar na Micareta R$ 500 mil, então vamos pegar o mesmo valor e contratar 50 bandas de Feira pelo preço mínimo de R$ 10 mil”.

O petista, que esteve no lançamento da Micareta, na noite de terça-feira (20/03/2012), elogiou a festa, mas ressalvou que na peça publicitária do evento não conta com a imagem de nenhum artista feirense.

O vereador Ailton Mô acredita que a festa vai ser organizada e tranqüila, mas mostrou-se preocupado com a valorização dos artistas da terra.

Observou que o artista que pretende participar da Micareta terá que estar totalmente legalizado, com documentação em dia. “Eu acho que o artista que faz um trabalho correto e organizado terá como emitir nota fiscal e não ter o pagamento atrasado”, disse ele.

O vereador Lulinha, por sua vez, cobrou que o Governo Municipal possa remunerar melhor os artistas da terra. “Tem banda que toca e ganha menos de R$ 2 mil e quando desconta o ISS fica praticamente sem nada”.

Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 109881 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]