Mais de 1500 mulheres marcham por direitos pelas ruas de Feira de Santana; Caminhada reafirma luta pela defesa dos direitos da mulher

Mulheres de Feira de Santana reafirmam luta por direitos.
Mulheres de Feira de Santana reafirmam luta por direitos.
Mulheres de Feira de Santana reafirmam luta por direitos.
Mulheres de Feira de Santana reafirmam luta por direitos.

Pensando em fortalecer a bandeira da luta por uma maior inserção da mulher na sociedade e pela implementação de políticas públicas que ampliem e assegurem a igualdade e a equidade de gêneros, o Coletivo de Mulheres do Partido dos Trabalhadores (PT) Feira de Santana realizou, neste sábado, 14, a primeira Caminhada Março Mulher.

Mais de 1500 pessoas saíram às ruas e percorreram o centro da cidade para comemorar os 80 Anos da Conquista do Voto Feminino e para denunciar as situações de discriminação e violência que as mulheres ainda hoje enfrentam.

Animado pela banda Simplicidade A e a cantora Maryzélia, o evento reuniu autoridades políticas, como a secretária Estadual de Política para as Mulheres, Lúcia Barbosa; o deputado estadual e líder do Governo na Assembleia Legislativa, Zé Neto; a sub-secretária Estadual de Desenvolvimento e Integração Regional, Eliana Boaventura; os vereadores Ângelo Almeida e Marialvo Barreto; os pré-candidatos a vereador pelo Partido na cidade Ivannide Santa Bárbara (coordenadora do Movimento Negro Unificado); Pablo Roberto (ex-diretor Comunidade de Atendimento Socioeducativo Zilda Arns), Guilhermino Vaccarezza (gerente de Promoções do Centro Industrial Subaé – CIS), José Rocha (diretor do Centro Social Urbano –CSU), Beldes Ramos (coordenador da Direção Regional de Educação – DIREC), dentre outros companheiros.

Também participaram da atividade representantes de diversos movimentos sociais, a exemplo do Movimento dos Sem Terra, que levou cerca de 200 mulheres oriundas de assentamentos e acampamentos situados em Feira.

De acordo com o deputado Zé Neto, há uma urgente necessidade de se inserir a Caminhada no calendário anual da cidade. Ele ressaltou que o PT vem lutando incansavelmente pela instituição de políticas públicas que garantam não apenas os direitos das mulheres, mas também de todas as minorias que sofrem com o preconceito e com a exclusão.

“Hoje é um dia histórico. É um dia de festa, mas também de reflexão sobre a condição social da mulher na contemporaneidade. Há 32 anos o PT vem lutando pela causa das mulheres e de todas as minorias a fim de construir uma sociedade mais justa e mais igualitária”, lembrou.

Para a secretária Lucinha Barbosa, a maior conquista histórica da mulher foi o direito de votar e ser votada. De acordo com ela, é preciso ampliar ainda mais a participação das mulheres nos espaços políticos. Ela ressaltou também que a eleição da presidenta do país Dilma Rousseff caracteriza uma grande evolução social em prol da igualdade de direitos, mas salientou que ainda há muito a ser feito, principalmente em relação à inserção feminina no mercado de trabalho, inclusive em bolsões essencialmente dominados pelos homens, como a indústria.

“As mulheres conquistaram muito até aqui. Mas estamos trabalhando ainda mais por uma maior pela inclusão política e produtiva das mulheres. O governo vem elaborando projetos, oferecendo capacitação e promovendo campanhas de conscientização e combate à violência doméstica. Hoje, a Bahia é um dos estados que mais discam o 180 para denunciar casos de agressão física e violência psicológica”, informou, ao tempo em que condecorou o deputado Zé Neto com o Laço Branco, símbolo da luta contra a violência feminina no Canadá, pelo seu trabalho junto ao governo do estado em prol de políticas públicas em favor das mulheres.

Membro do Movimento Unificado Negro e do Movimento de Organização de Mulheres em Defesa da Cidadania, Ivanide Santa Bárbara lembrou que a cada 15 segundos uma mulher é violentada no Brasil. Para ela, os índices alarmantes servem de alerta e mostram a necessidade de políticas mais efetivas de combate à violência.

“A Delegacia da Mulher, a instituição da Lei Maria da Penha, as Varas de Defesa, as Casas-abrigo e os Centros de Referência que apóiam as mulheres em situação de risco contribuem para que tenhamos um amparo institucional quando vítimas de violência, mas ainda há muito a ser feito. É necessário impedir a propagação da violência de gênero, assim como é necessário melhorar seu acesso ao trabalho e assegurar a igualdade de direitos trabalhistas, já que ainda hoje no Brasil existem mulheres que ganham 70% do salário dos homens”, destacou.

Elis Souza dos Santos, membro do Coletivo de Mulheres e da comissão organizadora da Caminhada, enfatizou que Feira de Santana ainda é carente de creches públicas, necessárias para conciliação entre o trabalho da mulher e sua rotina doméstica, e de hospitais direcionados ao atendimento às mulheres que supram a grande demanda da cidade, oferecendo serviços de maior qualidade e atendimento mais humanitário.

“Iniciativa feliz a do Partido dos Trabalhadores em promover essa Caminhada. O evento é de suma importância para fomentar discussões e pensar linhas de ação voltadas para a melhoria da condição social das mulheres no Brasil”, ressalvou.

Histórico – Nova Iorque, 08 de março de 1857. A história da luta pelos direitos trabalhistas das mulheres é marcada por uma tragédia. Cento e trinta tecelãs, em greve pela reivindicação de melhores condições de trabalho e salários dignos, são trancadas e queimadas dentro de uma fábrica de tecidos. Símbolo da resistência feminina, o episódio marca, na contemporaneidade, uma reflexão acerca do papel e espaço da mulher na sociedade.

Coletivo de Mulheres do Partido dos Trabalhadores Feira de Santana promovem primeira Caminhada Março Mulher.
Coletivo de Mulheres do Partido dos Trabalhadores Feira de Santana promovem primeira Caminhada Março Mulher.
Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108762 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]