Justiça atende pedido do MP e condena prefeito de Jitaúna, Edísio Cerqueira Alves, por improbidade administrativa

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Em decisão judicial de primeira instância, transitada em julgado, o prefeito de Jitaúna (a 188 km de Salvador), Edísio Cerqueira Alves, foi condenado por improbidade administrativa a pagar, entre ressarcimento, multa e danos morais, mais de R$ 500 mil aos cofres públicos, com juros aplicáveis desde 2009. O gestor municipal teve ainda seus direitos políticos suspensos por oito anos, ficou proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, além de ter seus bens tornados indisponíveis pela Justiça. A decisão atende a um pedido do Ministério Público estadual formulado em ação civil assinada pelos promotores de Justiça Luciano Santana Borges, Maurício Foltz Cavalcanti e Rafael de Castro Matias contra o prefeito, o Laboratório de Análise Clínica Jitaúna e sua sócia-gerente Juciane Jesus Santos, também condenados na decisão judicial que reconheceu fraude no processo de licitação do laboratório, prejuízo ao erário e desvio de funcionários públicos para prestar serviços junto à instituição privada.

A ação civil, lastreada por um inquérito público, constatou que, em 2009, o município de Jitaúna deflagrou um procedimento licitatório, na modalidade carta convite, com a finalidade de contratar uma empresa privada para realizar exames em análises clínicas destinados à Secretaria Municipal de Saúde. Conforme os promotores que assinaram a demanda, foram encaminhados convites para três empresas: Laboratório de Análises Clínicas de Jitaúna Ltda.; Laboratório de Análises Clínicas de Jequié; e Laboratório Central de Ipiaú Ltda. Embora a comissão de licitação tenha declarado ter recebido as três propostas e “escolhido o Laboratório de Análises Clínicas de Jitaúna Ltda. após uma análise minuciosa levando em conta o melhor preço”, a documentação referente ao procedimento licitatório comprova que os outros dois concorrentes sequer tiveram as suas propostas conhecidas pela comissão. Ainda assim, através de um procedimento licitatório “patentemente irregular”, o Município firmou contrato com vigência de nove meses com a empresa “vencedora”.

Na ação, os promotores de Justiça dão conta ainda de que a empresa ganhadora tinha sede em imóvel de propriedade declarada do próprio prefeito, Edísio Cerqueira Alves, que afirmou “ter cedido gratuitamente” o local para Juciane Jesus Santos que, por sua vez, declarou no inquérito “ter trabalhado como empregada doméstica na casa do gestor municipal entre os anos de 2000 e 2006”. Somando-se a esses fatos, o prefeito municipal cedeu servidores do município para prestarem serviços no laboratório vencedor do certame. Em sua defesa, o gestor municipal alegou “desconhecer a ilegalidade do procedimento adotado”, afirmando ainda que “outros gestores adotavam o mesmo modus operandi em outros procedimentos licitatórios”, argumentação classificada pela juíza Juliana de Castro Campos Madeira, que assina a decisão, como “no mínimo inaceitável e risível”. Além das penas já mencionadas, o prefeito e os demais réus ficam resposabilizados pelas custas do processo e dos honorários advocatícios, arbitrados pela magistrada em 15% do valor do dano infligido à municipalidade.

*Com informação : Ministério Público da Bahia

 

Redação do Jornal Grande Bahia
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 108839 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]