Estruturação da cadeia do leite é uma das principais demandas dos produtores de Entre Rios

Antonio Alberto de Oliveira Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto

Com 25 anos de tradição e presença em 18 municípios, a Escola Rural Tina Carvalho – uma das unidades da Fundação José Carvalho, no município de Entre Rios, exemplo quando o assunto é educação profissional, foi palco de um dos mais importantes eventos de agropecuária do Estado da Bahia. Centenas de agricultores, representantes do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, assentamentos e lideranças políticas se reuniram, nesta quarta-feira (21/03/2012), para discutir questões inerentes ao setor agropecuário. A estruturação da cadeia do leite foi considerada uma das principais demandas da Fundação, que também possui uma fábrica de laticínios. A fábrica importa de outros municípios 70% do leite que processa, principalmente da região Sul. As demandas giraram em torno de assistência técnica e capacitação de pessoal. “Queremos inserir o Litoral Norte na Bacia Leiteira do Estado, envolvendo todos os elos da cadeia produtiva do leite”, disse o gerente de produção da fábrica da Fundação, José Raimundo.   O trabalho da Fundação beneficia cerca de 600 alunos e mais de 350 famílias do campo, com educação e inserção na produção de laticínio. No entanto, a instituição sofre com a concorrência dos importados e custos altos de produção. Salles afirmou que a estruturação desta cadeia na região é uma prioridade do governo Jaques Wagner e já foi inserida no Programa Vida Melhor, que prioriza sete cadeias produtivas.   Capitaneado pela Casa Civil, o Programa Vida Melhor funciona a partir do trabalho conjunto de diversas secretarias, a exemplo da Sedes, Seinfra e Sedir e do apoio da CAR, além para providenciar melhorias nas redes elétrica e rodoviária, com o objetivo de garantir o armazenamento e o transporte do leite.

Parcerias com os municípios vão assegurar ainda a instalação de tanques de resfriamento para os produtores que não possuem o equipamento.   “A região tem todo um potencial para produção de leite, além de ter condições ideais de solo e clima, o município tem a possibilidade de aproveitar e comprar cevada, um subproduto para a alimentação animal, contribuindo com os produtores. O que não podemos é deixar que esta fundação, que tem um trabalho maravilhoso, compre o leite de fora, quando podemos fomentar a criação extensiva de gado”, ressaltou o secretário Eduardo Salles, lembrando que um dos atuais funcionários do CDA, Heraldo, foi um dos primeiros alunos da Fundação José Carvalho.   Salles congratulou-se também com o Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável pela capacidade do órgão de sintetizar as demandas agropecuárias de maior relevância para a região, a exemplo da necessidade de um novo planejamento sobre a cadeia da piscicultura, que passará por uma avaliação técnica.

Alberto Peixoto
Sobre Alberto Peixoto 488 Artigos
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. E-mail para contato: [email protected] Saiba mais sobre o autor visitando o endereço eletrônico http://www.albertopeixoto.com.br.