Ano novo. Cuidado para seu filho ou filha não virar um CRACK

Publicidade

Banner da Gujão: Campanha com o tema ‘Tudo fresquinho é melhor’, veiculada em 3 de junho de 2022.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

O Brasil caminha para ser a 5ª economia do mundo. O único problema, seu PIB é distribuído desigualmente há séculos. Segundo o ministro da economia o país levará 20 anos para ter o mesmo padrão de vida dos europeus. Restando para os trabalhadores e excluídos sociais, muita propaganda, demagogia e promessas. Eventos como olimpíada, copa do mundo, visita do Papa, Rio mais 20, conferencias mundiais etc, estão permitindo expor ao mundo os limites da política social brasileira.

A panacéia está instalada, novos e modernos aeroportos, sistema de transporte de massas, segurança digital e megaconstruções. Em época de festas e grandes eventos, um ingrediente da realidade social se desponta, o consumo de drogas, em que o consumo de álcool e tabaco entre os adolescentes é muito maior do que o crack com seus efeitos devastadores e o de cocaína que vem aumentando.

No Rio de Janeiro em março/11, a SMAS realizou 2.944 acolhimentos (2.476 adultos e 468 crianças e adolescentes). No Ceará em Junho/11 foram apreendidas 2.769 pedras de crack com crianças e adolescentes. Levantamento, realizado em Ribeirão Preto-SP, revelou que os usuários de crack constituem a maior parte dos atendidos no Centro de Atendimento Psicossocial em Álcool e Drogas (CAPS-AD). Nos meses iniciais de 2009, dos 10.500 atendimentos realizados, 6.825 foram relativos a dependentes de crack, que, muitas vezes, combinam seu uso a outras drogas. Segundo a Comissão Nacional de Monitoramento – CNM, 58,5% dos mais de 4.400 municípios pesquisados enfrentam problemas na área de segurança por causa do crack. No setor de saúde, esse número chega a 63,7%.

O crack é a cocaína em pó, adicionada de água e de bicarbonato de sódio, que é aquecida até a água evaporar, e o produto final consiste em pedras de cocaína. É fumado em cachimbos ou improvisações. Quando o cachimbo é aceso e a pedra, de uma cor que vai do branco ao marrom, pega fogo, produz um estalo, o “crack” (estalo em inglês). Para alguns especialistas ele produz efeito mais imediato e intenso do que a cocaína, com um grande diferencial o preço. Há pedras de 10 reais, de 5 e “lasquinhas” de 1 real.

Em relação aos “Cracks” estamos vendo muitas contradições para além das modalidades esportivas, o que está surgindo é um HIGIENISMO SOCIAL, não há interesse em resolver o problema dos dependentes e sim em tirá-los das ruas. São Paulo e Rio de Janeiro deram o ponta pé inicial tratando-os com internações compulsórias e involuntárias. As Comunidades Terapêuticas surgem e ganham força em meio a ausência completa do estado. O Conselho Federal de Psicologia fez inspeções em 68 entidades e verificou inúmeras violações de direitos humanos. “De forma acintosa ou sutil, banalizam os direitos dos internos, interceptando e violando correspondências, violência física, castigos, torturas, exposição a situações de humilhação, imposição de credo, exigência de exames clínicos, como o anti-HIV (inconstitucional), intimidações, desrespeito à orientação sexual, revista vexatória de familiares, violação de privacidade, entre outras”.

Para a imensa maioria dos pobres, desvalidos da sorte, para as famílias que muitas vezes não sabem onde buscar ajuda, essa é a única opção. Com honrosas exceções as Comunidades Terapêuticas apresentam prática manicomial que não fortalece os dependentes em seu meio social. A dependência química é uma questão de saúde que necessita do fortalecimento dos CAPS-AD, o SUS necessita ampliar o tratamento e dar suporte aos Caps-i que absorvem apenas o serviço ambulatorial.

Aspectos que merecem reflexão: a dificuldade do trabalho em rede; ações isoladas e o império das vaidades; a necessária normatização e fiscalização das comunidades, clínicas e a internação compulsória; as comunidades terapêuticas: as dificuldades de regularização; as contradições com os ideais da reforma psiquiátrica; o funcionamento sob o método “capina e reza”; a ausência de convênios e a execução do serviço como práticas caritativas. Quanto à internação compulsória, como decidir se deseja ou não uma internação? Para onde ele irá depois? Para a biqueira? Que trabalho será feito para reinserí-lo na sociedade? No combate ao uso indevido de álcool e outras drogas uma ação integrada é imprescindível.

Precisamos ficar atentos com nossos filhos e filhas, oferecer um novo projeto de vida, porque a relação com a droga tem a ver com o lugar onde ele vive, com o espaço social, a sua condição na família, exigindo serviços de saúde diferentes para necessidades diferentes. O uso da droga aliado ao vício gera outro problema na sociedade: a prostituição. O uso do crack tem levado muitos adolescentes a “abrirem as portas” para a AIDS novamente. É necessário trabalhar a família, pois, uma boa base familiar evita muitos problemas relacionados ao consumo do crack.

O dependente químico só raramente é adicto a uma única droga. O coquetel inclui o cigarro e o álcool, que fazem parte de sua trajetória rumo a falência da saúde, à dissipação da atenção, ao aniquilamento da vontade e à impossibilidade de exercer atividade produtiva em que se constitui o estado avançado de dependência. De uns anos para cá, entre as camadas socialmente desfavorecidas, principalmente, mas não só entre elas, o crack passou a reinar. FELIZ ANO NOVO! CUIDADO PARA O “CRACK” NÃO INVADIR A SUA FAMÍLIA

*Reginaldo de Souza Silva – Doutor em Educação Brasileira, professor e coordenador do Núcleo de Estudos da Criança e do Adolescente da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (Uesb). Email:necauesb@yahoo.com.br

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Redação do Jornal Grande Bahia 121676 Artigos
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br.