Por suspeita de prejuízos, prefeito Tarcízio Pimenta vai cobrar do procurador Carlos Lucena relatório detalhado de ações judicias

Tarcízio Pimenta promete levantamento na procuradoria municipal para verificar se município sofre prejuízos por conta da inação do órgão municipal de Feira de Santana.
Tarcízio Pimenta promete levantamento na procuradoria municipal para verificar se município sofre prejuízos por conta da inação do órgão municipal de Feira de Santana.

Durante a inauguração da SEPREV (0512/2011), o prefeito de Feira de Santana Tarcízio Pimenta concedeu entrevista exclusiva ao jornalista Carlos Augusto, diretor do Jornal Grande Bahia, onde aborda os investimentos municipais em segurança pública, problemas com a duplicação do Anel de Contorno e saída do Ministro Lupi.

Fechando o bloco de entrevista, Tarcízio Pimenta comenta sobre denúncias envolvendo a Procuradoria Municipal, que é comandada há 16 anos por Carlos Lucena. Segundo fontes, o governo municipal tem sofrido graves e constantes prejuízos por derrotas judicias oriundas de falhas processuais, inclusive com diversos casos sendo julgados à revelia. Ou seja, sem que o município recorra de decisões, ou simplesmente perdendo as ações por falta de defesa. Tarcízio promete cobrar de Lucena um amplo relatório sobre as atividades da procuradoria.

Confira a seguir a entrevista

Jornal Grande Bahia – Prefeito Tarcízio Pimenta, durante o seu discurso de inauguração aqui da SEPREV (Secretaria de Prevenção à Violência), o senhor falou que sua administração tem uma cultura diferenciada das passadas, e que o senhor foi orientado no sentido de atribuir a responsabilidade de segurança pública ao governo do estado. O senhor poderia dizer a quem o senhor está se referindo, e que diferença é essa?

Tarcízio Pimenta – Na realidade a cultura existia há muito tempo, não é de hoje, nem de ontem. Há muito tempo, se coloca que essa cultura, de que segurança não é responsabilidade da prefeitura. Consequentemente a gente encontrou essa cultura. Logicamente que nós estamos mudando isso. E mudando com ações, mudando com atitudes, é o que vocês estão presenciando hoje. São todos esses investimentos, essas ações, com objetivo de dar proteção às famílias, aos cidadãos. 

JGB – Prefeito, estamos chegando ao terceiro ano do seu mandato. Eu gostaria que o senhor pontuasse as principais conquistas da sua administração para o povo de Feira de Santana.

Tarcízio Pimenta – As principais conquistas para Feira de Santana foram os investimentos na vida das pessoas, como você está vendo aqui. Buscamos investir na vida das pessoas, melhorar a vida das pessoas e dá mais segurança para que as pessoas possam viver em paz, e com tranquilidade. São investimentos que movimentam a vida das pessoas. É você melhorar a questão da convivência, e isso que eu acho que o governo tem que procurar a cada dia mais fazer. Melhorar serviços públicos, que possam qualificar mais e dá mais tranquilidade às pessoas como saúde, educação, que são investimentos essenciais, que todo político diz que irá fazer, e no final não faz. Nós estamos promovendo isso. Dá trabalho, dá dor de cabeça, mas é importante que se faça.

JGB – O nosso jornal saiu com o seguinte questionamento, de que estamos chegando ao nono ano de uma presidência petista, e o anel de contorno, a duplicação do anel de contorno de Feira de Santana não saí. É muito discurso e pouca prática, prefeito?

Tarcízio Pimenta – Eu acho que tem que acontecer. A duplicação do anel do contorno, não tem mais como não se efetivar. Então, acho que isso irá acontecer, mais cedo ou mais tarde. Veja a questão da privatização, que queira ou não, é um instrumento de geração de recurso. Você terá com certeza a grande possibilidade de que ocorra a duplicação. É também o esforço da classe política de Feira de Santana.

JGB – Prefeito com relação à saída do Ministro do Trabalho Carlos Lupi, como é que o senhor avalia esse processo?

Tarcízio Pimenta – Essas conjunturas da política nacional não se atem unicamente a ministro A, ministro B, ministro C. É uma conjuntura muito forte, vindo da mídia nacional, dessas discussões todas, que acabam resultando em processos e acaba pegando em algumas situações. Então, o Ministério do Trabalho Emprego e Renda estava fazendo um belíssimo trabalho, dando uma nova dinâmica na formatação dos projetos. Observou-se os ganhos que sociais que aconteceram a partir das ações do ministério. Mas a situação se tornou insustentável em função de uma série de avaliações e denúncias, que foram se somando, e o ministro que estava algum tempo no próprio ministério, acabou tendo as suas forças sendo combalidas, e ele resolveu pedir a renuncia.

JGB – Prefeito o senhor sempre se pautou pela transparência e por responder a todos os questionamentos da sociedade de forma muito tranquila. A pergunta que eu lhe faço é a seguinte: embasada em denúncia que chegaram à nossa redação, de que o município tem sofrido diversas derrotas na justiça, por conta de processos a revelia, não chega o momento de o procurador Carlos Lucena apresentar um balanço de 16 anos da sua gestão frente à procuradoria?

Tarcízio Pimenta – A gente tem acompanhado todos os processos. Temos acompanhado toda essa situação da própria procuradoria. Se algum processo se perdeu por decurso de prazo, eu lhe garanto que não chegou ao meu conhecimento. Agora é preciso que a gente veja isso. Irei até mandar fazer esse levantamento, para que a gente divulgue se houve alguma parte de processo que não se concluiu por falta, ou quem sabe até por incompetência, da procuradoria, eu não sei.

Leia + 

Feira de Santana é o primeiro município baiano a adotar um modelo central de coordenação das forças de justiça, segurança pública e cidadania

Carlos Lucena é indicado para o cargo de Procurador Geral do Município de Feira de Santana. Mas até que ponto isto é bom para o governo e o povo

Banner do JGB: Campanha ‘Siga a página do Jornal Grande Bahia no Google Notícias’.
Sobre Carlos Augusto 9746 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).