Por que ir a Prashanti Nilayan?

Juarez Duarte Bomfim
Juarez Duarte Bomfim

Por Victor Duarte

Na qualidade de devoto de Sai Baba, um dos nossos maiores desejos sempre foi ir a Índia. Ver Swami, no seu corpo físico e se possível até participar de uma entrevista — este o sonho de todos nós.

Muitos foram aqueles que pisaram o solo indiano, mais precisamente, em Prasanthi Nilayan (Morada da Paz Suprema) para ver Sai Baba nessa encarnação. E para vê-Lo o mais de perto possível, buscávamos sentar na primeira ou primeiras filas do Mandir (templo). Para isso era necessário acordar bem mais cedo do que os demais, ficar muitas horas esperando do lado de fora do Mandir, na maioria das vezes em jejum, ser bem sucedido no sorteio e conseguir uma fila mais próxima do local por onde Swami passaria.

Tudo isso para vê-Lo de perto por alguns segundos. Era realmente uma tarefa árdua sem se ter certeza que conseguiríamos o resultado final almejado. Mas a verdade é que muitos tentavam essa maratona todos os dias.

Não podemos esquecer que esse comportamento não era a melhor demonstração de fé nem a melhor maneira de se sentir perto de Sai Baba.

A ânsia por ver Swami de perto, transparecia que muitos devotos ainda pensavam que a única chance de estar perto Dele era aquela. Ledo engano. Swami está muito alem do que os olhos podem ver. Ele nos permeia de uma forma especial, transcendendo todos os nossos sentidos. Não queiram tentar expressar em palavras o Amor de Swami por nós. Quem experimenta o Seu Amor sabe, mas não consegue expressá-lo. Porque o verdadeiro amor é divino e, portanto, ilimitado e incomensurável. E por mais erudito que sejamos, as nossas palavras não conseguem jamais expressar essa experiência singular de puro amor.

Depois do Mahasamadhi de Swami do último 24 de abril, dia em que a cristandade comemorou, neste ano, a Ressurreição de Cristo, muitos se mostravam desiludidos em ir à Prasanthi Nylaian, pois se perguntavam: “Por que ir a Índia agora, já que Swami não está mais aqui conosco”? É preciso lembrar a esses que Swami não se resume ao corpo físico, e que Ele nunca nos abandonou, pois continua e continuará conosco hoje e sempre. Swami disse: “Por que temer se estou aqui, é só chamar e Eu estarei ai”. Em outra ocasião afirmou que jamais abandona seus devotos e que nós Lhe pertencemos. É claro que a dimensão de uma assertiva desta cobre toda a nossa existência, nessa e em outras encarnações.

Temos que entender e sentir que Sai Baba se expressa muito além das simples manifestações limitadas dos nossos sentidos físicos. Por isso Bhagavan disse: “O que você pensa que é verdade é ilusão e o que você pensa que é ilusão é verdade”. Portanto, não nos deixemos ser presas fáceis de maya (ilusão) e de uma mente enganadora. Quantas vezes buscamos proteção nos Pés de Lótus de Baba para aliviar os nossos sofrimentos e somos atendidos de imediato? Não procuremos racionalizar a encarnação de um Avatar, porque não conseguiremos chegar a nenhuma conclusão proveitosa sob o aspecto espiritual. O Próprio Baba afirmou: “Não tentem me entender, porque não conseguirão, pois estou alem da compreensão humana”.

Ir a Prasanthi Nilayan é estar um pouco onde Sai Baba nasceu e viveu, sentir de perto aquela energia maravilhosa, é se irmanar com devotos da Índia e de outros países, é conhecer a fé e as experiências de irmãos dos lugares mais longínquos, é conhecer o dia a dia das Escolas e Universidades Sai, é ver pulsar firme e forte a confiança em Deus. A Índia respira religiosidade e ir a Prasanthi Nilayan é uma experiência inesquecível e eterna.

Das quatro vezes que tive oportunidade de ir a Prasanthi Nilayan, fui testemunha de diversas experiências singulares, as quais com certeza me proporcionaram, pela Graça de Swami, esclarecimentos às minha duvidas e me concedeu força para buscar entender melhor a verdadeira razão da vida.

Essas paradas nos afazeres mundanos, para me dedicar 24 horas à espiritualidade, me são muito úteis até hoje. E pode ser também a todos aqueles que ainda não foram a Prasanthi Nilayan. Devemos apenas estar preparados, pois as experiências são marcantes, encontrando explicações para elas somente no nosso mais recôndito ser.

Não podemos deixar de citar que as longas permanências no Mandir, as palestras, os bate-papos sobre espiritualidade e experiências pessoais de milagres é uma constante em todos os lugares do Ashram. Tudo isso é sentido como um toque sutil do amor de Swami.

Visitar os museus, meditar sob a Árvore da Meditação, conhecer a casa onde Swami nasceu e a árvore dos desejos, onde os Seus devotos colhiam, na mesma árvore, todas as frutas que O solicitavam, são passagens muito marcantes.

Estando em Prasanthi Nilayan as experiências interiores são muitas e todas necessárias a nossa evolução espiritual. As respostas aos nossos questionamentos sobre a vida, que nos chegam das mais diversas formas, e a compreensão dos fatos que rodeiam a nossa vida, nos faz ter certeza que a ida a Prasanthi Nilayan não foi em vão. Pelo contrário, quem experimenta dessa oportunidade, não quer mais deixar de fazê-lo.

Apenas para exemplificar o tipo de experiência que vivenciamos lá, vou contar um fato que aconteceu comigo em 2007 por ocasião da minha primeira viagem à Índia. Nesse mesmo ano completei 60 anos de vida. E muitos de nós, quando alcança essa idade começa a se preocupar com quantos anos de vida ainda teremos para aproveitar as alegrias de ver os filhos encaminhados na vida, acompanhar os netos por algum tempo, usufruir da realização de planos que antes não foram possíveis e principalmente o que Deus nos reserva em termos de longevidade. Essa preocupação, vez por outra, me incomodava, e não tinha obtido nenhuma ajuda naquilo que lia e ouvia até a minha primeira ida a Prasanthi Nilayan. Mas, estando no Ashram, ia sempre a livraria onde tive oportunidade de adquirir 32 livros sobre temas espirituais.

Na qualidade de leitor curioso, certo dia peguei um dos livros ao acaso e o abri numa pagina qualquer. Ao dirigi a minha atenção para uma das páginas e uma das partes dessa página, qual não foi a minha surpresa quando li: “O homem não deve reivindicar uma vida longa, mas uma vida Divina”. “O homem não deve ansiar por mais anos na terra, mas por mais virtudes no coração”. O titulo do livro era Truth is only one (“A verdade é somente uma”) tendo como autora a Ann Cleveland. Os amigos com quem dividia o quarto ficaram inicialmente sem entender porque razão não continha as lágrimas após ler uma parte tão pequena de um livro. Só vindo a compreender a minha reação após me recompor da emoção forte e ter forças para explicar em detalhes a razão das minhas lágrimas.

Ir a Prasanthi Nilayan é experimentar que Swami ainda está lá e em todos os lugares. É como se participássemos de um curso intensivo sobre espiritualidade, sem direito a intervalos.

Eu definiria Prasanthi Nilayan como um Reformatório Espiritual onde a única opção é a rendição para conseguir a redenção.

Uma vez um estudante perguntou a Swami: “Como faço para ficar sempre perto do Senhor?” Sai Baba respondeu: “Me leve com você”. Nós também podemos levá-Lo conosco. Como? Colocando em prática os seus ensinamentos, de forma resumida: “Amando a Todos e Servindo a Todos”.

Swami certa feita falou que ninguém precisaria ir a Prasanthi Nilayan para encontrá-Lo, pois Ele reside em nossos corações. Busque-O no mais intimo do seu ser e O encontrará. Chame-O e Ele virá. Como Bhagavan mesmo afirmou: “Todos os nomes são meus”.

Swami disse também que só vem a Prasanthi Nilayan quem é Seu convidado e se Ele assim permitir. Então aqueles que se sentirem atraídos para conhecer Prasanthi Nilayan, não hesitem, pois esse, com certeza, é um chamado de Sai Baba. Ele sabe o que precisamos e vai nos proporcionar todos os meios para que possamos encontrar ali o que precisamos, visando fortalecer a fé e a esperança em Deus.

Certa vez um devoto pediu a Swami para vê-Lo na sua verdadeira natureza. Sai Baba disse: “Você não suportaria”. Mas o devoto insistiu e Baba lhe concedeu essa visão. Ao presenciar tamanha refulgência, esse devoto desmaiou e passou alguns dias desacordado.

Não busquem Swami no corpo físico, mas a Sua Graça em nossos corações.

Lá em Prasanthi Nilayan vocês terão mais oportunidades de vivenciar a Verdade, a Retidão, a Paz, o Amor e a Não-Violência que tanto almejamos e que é a mais pura expressão de Deus. Só assim conseguiremos experimentar a verdadeira e duradoura bem aventurança.

Om Sai Ram

Sobre Juarez Duarte Bomfim 741 Artigos
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]