Efeito China gera desemprego na Bahia. Unidades da Azaleia serão fechadas

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

O desaquecimento da economia nacional e mundial, aliada a concorrência com produtos chineses tem provado vítimas nos diversos segmentos industriais da Brasil. Caso seja confirmado fechamento das unidades da fábrica de caçados Azaleia na Bahia, desemprego associado com desaquecimento econômico prometem grandes estragos nos munícipios de pequeno porte.

Confira a notícia divulgada em diversos blogs e sites de notícias do interior da Bahia 

O ano de 2012 não deve começar bem para cerca de 2.000 funcionários da Vulcabrás/Azaléia. A indústria de calçados anunciou na manhã desta sexta-feira (16/12/2011), o fechamento das filiais de Iguaí, Ibicuí, Itati, Potiraguá, Itarantim e Maiquinique. A decisão também atinge diretamente os familiares das pessoas que se beneficiam da fábrica.

Segundo os diretores da Vulcabrás/Azaléia essas filiais não tem dado lucro e a princípio os trabalhadores desses locais receberão o convite para se transferir para matriz em Itapetinga ou então aceitar a demissão oferecida pela fábrica.

Durante o ano de 2011, por conta da crise mundial, a Vulcabrás/Azaléia ameaçou fechar a fábrica de Itapetinga e filiais, gerando encontros e discussões para tratar da questão. A intenção era se instalar em Nova Déli, na India. Clique aqui e aqui, para rever as matérias.

No mês de julho, a imprensa chegou a divulgar que o governo, através do Banco do Nordeste, havia conseguido um financiamento de 64 milhões de reais para ampliar a escala de produção da empresa e reduzir custos. Ao que parece, nada disso adiantou.

Leia + 

“Uma ação desrespeitosa”, diz secretário sobre fechamento de fábricas da Azaleia

Sobre Carlos Augusto 9706 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).