Alunos da rede pública de Salvador começam a ser selecionados para curso de informática. Programa visa capacitar 10 mil jovens

Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.
Jornal Grande Bahia, compromisso em informar.

Apesar de trabalhar como segurança numa empresa de Salvador, Antônio Santana, 31 anos, não está acomodado em relação a seu futuro profissional e pretende aumentar seus conhecimentos na área de informática para futuramente mudar de profissão. Ele é um dos mais de 400 estudantes da rede pública que participam nesta quarta-feira (14/12/2011), da primeira etapa do processo de seleção para os cursos gratuitos de Tecnologia da Informação e Comunicação do Proaj (Programa de Aprendizado Jovem). Devido ao volume de inscrições, o processo foi segmentado em duas aulas públicas, das 8h às 12h e das 14h às 18h, seguidas de provas escritas no auditório da Faculdade Estácio FIB, no Stiep. Antônio Santana, que tem dois filhos, diz que já atuou na área de telefonia e acredita que tem potencial para mudar de profissão. “Pretendo aumentar minha renda dentro de uma área que não para de crescer”, disse.

Só puderam participar alunos que se inscreveram na primeira etapa do programa, que visa capacitar cerca de 10 mil jovens de escolas públicas da Bahia em quatro anos. O resultado da seleção sai até janeiro de 2012 e nessa etapa serão classificados 240 dos 400 alunos que devem fazer as provas. O programa é uma parceria entre a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI) e o Governo do Estado da Bahia.

Antes das provas, a diretora de Fomento às Tecnologias de Informação e Comunicação da SECTI, Jurema Valença, representando o secretário Paulo Câmera, explicou como funciona o programa e tirou dúvidas dos estudantes. Em seguida, um professor da FIB Estácio de Sá traçou um panorama do mercado de TI com as opções de cursos superiores. Depois foi a vez de um representante da Microsoft falar sobre os programas de certificação da empresa e sobre os salários pagos na área de TI.

A estudante Francine Antunes, de 16 anos, também pretende ampliar seus conhecimentos na área de TI, por isso resolveu participar da seleção. Aluna do terceiro ano do colégio estadual Elisabeth Chaves, no Cabula VI, ela vai fazer vestibular para Medicina, mas acredita que todos devem buscar ter noções de informática, “pois serve para toda a vida”, afirma.

Os alunos aprovados nessa prova vão fazer um curso dividido em dois módulos: um básico e outro profissionalizante. Depois do curso básico, com carga horária de 180 horas, os alunos vão participar de módulos profissionalizantes com 412 horas e ao final todos receberão certificados. Essa é a primeira vez que são realizados cursos nesse formato e a intenção da SECTI é aumentar o número de profissionais capacitados em Tecnologia da Informação e Comunicação para o mercado baiano.

O secretário Paulo Câmera aposta nessa iniciativa por acreditar no potencial de empregabilidade do setor. De acordo com pesquisa realizada este ano, pela Associação Brasileira de Empresas de TI, sobraram 92 mil vagas na área no país. A pesquisa aponta ainda que este número pode dobrar até 2013. A SECTI vai atuar em várias frentes para fortalecer o setor no Estado. “Vamos capacitar jovens através Proaj, que tem o foco particular em TIC, além de incentivar a pesquisa com a instalação do Parque Tecnológico da Bahia, que tem o setor como uma de suas áreas prioritárias de atuação”.

Carlos Augusto
Sobre Carlos Augusto 9303 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).