Superlotação carcerária em Feira de Santana leva o Ministério Público da Bahia a requerer remoção de presos excedentes

Em razão da situação Conjunto Penal de Feira de Santana, que possui 830 presos em um local com capacidade para apenas 152 pessoas, o Ministério Público Estadual requereu imediata remoção do excedente de presos.
Em razão da situação Conjunto Penal de Feira de Santana, que possui 830 presos em um local com capacidade para apenas 152 pessoas, o Ministério Público Estadual requereu imediata remoção do excedente de presos.
superlotacao-carceraria-em-feira-de-santana-leva-o-ministerio-publico-da-bahia-a-requerer-remocao-de-presos-excedentes
superlotacao-carceraria-em-feira-de-santana-leva-o-ministerio-publico-da-bahia-a-requerer-remocao-de-presos-excedentes

Em razão da situação “extremamente preocupante” do Conjunto Penal de Feira de Santana, que possui hoje 830 presos em um local com capacidade para apenas 152 pessoas, o Ministério Público estadual requereu desde o último dia 1º a remoção imediata do excedente de presos do local. O pedido, que ainda aguarda decisão judicial, foi feito à Vara de Execuções Penais da comarca pela promotora de Justiça Márcia Morais dos Santos Vaz um dia depois de serem iniciadas as obras de reforma e ampliação do Conjunto Penal. Quatro pavilhões da unidade prisional já foram fechadas para a reforma e a situação, de acordo com a promotora de Justiça, está “insustentável”.

Destinado ao recolhimento de presos condenados aos regimes fechado e semiaberto e, excepcionalmente, de presos provisórios, o Conjunto Penal de Feira de Santana teria capacidade para 340 presos (304 do sexo masculino e 36 do feminino), mas, segundo o MP, essa capacidade há muito não vem sendo respeitada e as celas, que deveriam abrigar apenas um preso, abrigam até cinco pessoas. Essa situação, segundo Márcia Morais, agravou-se após a interdição do Complexo Policial Investigador Bandeira, em 18 de outubro último, decorrente de uma rebelião no local. O complexo abrigava 138 pessoas, mas tinha capacidade para apenas 25. Com a decisão, os delegados passaram a encaminhar os presos em flagrante para o Conjunto Penal, “e assim, o que era pra ser excepcional, passou a ser a regra, e o estabelecimento penal está hoje com 500 presos além de sua capacidade, e, frise-se, com mais presos provisórios que condenados”.

Não bastasse isso, foram iniciadas em 31 de outubro último as obras de reforma do Conjunto Penal de Feira de Santana – anunciada desde 2009 e que visa aumentar a capacidade da unidade prisional para 1.240 vagas –, sendo necessária a interdição de quatro pavilhões. Estas interdições representaram, segundo a promotora de Justiça Márcia Morais, a perda de 152 vagas, e 830 presos dividem hoje as 152 vagas restantes para o sexo masculino. “A proporção de presos por cela resta idêntica à do Complexo Policial Investigador Bandeira à data da última rebelião, com um agravante: ao invés de 138 homens rebelados, poderemos ter 830 homens rebelados, o que torna a situação insustentável”, alerta. A rebelião no complexo policial aconteceu no último dia 23 de setembro (2011).

Segundo Márcia Morais, uma reunião foi realizada no último dia 7 com a Corregedoria do Tribunal de Justiça, Superintendência de Assuntos Penais, juízes criminais, promotores de Justiça, defensores públicos, Polícias Civil e Militar, além dos diretores do Conjunto Penal de Feira de Santana e do Presídio de Esplanada, “e nada restou decidido quanto à superlotação do Conjunto Penal, estando o pedido administrativo de remoção dos presos sem decisão até a presente data”.

Leia +

Deputados Carlos Geilson e Graça Pimenta declaram que situação precária do Presídio Regional de Feira de Santana preocupa

Cela do Presídio Regional de Feira é encontrada com drogas, facas, dinheiro e aparelhos celulares

Ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admite que sistema prisional do país está em situação quase “medieval”

Presídio de Feira de Santana será ampliado pelo Governo

Líder do Governo, Zé Neto fala sobre nomeação na CAR, reforma do presídio, mudanças no PLANSERV, ações da Polícia Federal e Colbert Martins

Conjunto Penal de Feira será ampliado e Edmundo Dumet, diretor da unidade, diz que Lei que regula a Liberdade Provisória precisa ser mudada

Sobre Carlos Augusto 9508 Artigos
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Ex-aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518) e a Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).